ENTRELINHAS

Operação Asclépio: desdobramentos podem surpreender e envolver “figurão”

Operação Asclépio: desdobramentos podem surpreender e envolver “figurão”

Por Beto Iquegami

Por Beto Iquegami

Publicada há 4 meses

Operação Asclépio: Desdobramentos podem surpreender e envolver “figurão”

O mundo realmente virou uma “aldeia global”. Acontecimentos que dantes eram estanques, situados em zonas territoriais isoladas, hoje ganham alcance global e transbordam limites fronteiriços numa velocidade assombrosa. Que o diga os envolvidos na Operação Asclépio. Destinada, inicialmente a investigar fraudes em vestibulares de Medicina em Assis, rapidamente expandiu-se e, factualmente, bate às portas da UniBrasil local. O que inicialmente era uma “brisinha tropical”, caminha ferozmente para se transforma num furacão. E a prisão da secretária administrativa do campus daqui na segunda, 22, adicionou ingredientes extras. Nos bastidores policiais aventa-se que mais importante que a detenção cautelar foi o resultado das apreensões. Farta documentação que pode exponenciar o escândalo, levando às barras da Justiça um personagem local bem popular, com farta atuação no meio político e que atualmente detém uma espécie de “mandato” não eletivo. Detalhe: não é vinculado à universidade.

Cautela extra com a honorabilidade da  instituição e com os reflexos empresariais

O certo é que os trabalhos investigatórios até então conduzidos pela Polícia Civil de Assis e Ministério Público também de lá estão indo em direção de nominar “os cabeças” das fraudes. A individualização dos escalões menos graduados já está praticamente conclusa, mas isso, convenhamos, é o mesmo que prender os consumidores e deixar traficantes soltos. Exatamente isso que a operação quer evitar. Mais ainda! Apesar de a prisão recente envolver uma secretária, ainda não se cogita de envolvimento institucional na comercialização de vagas, o que leva membros da operação a acautelarem-se, pois reconhecem a importância da universidade na conjuntura fernandopolense, gerando mais que vagas universitárias: empregos, rendas e dezenas de comércios reflexos. Isso afora a honorabilidade da instituição que deve ser preservada acima de tudo e de todos. Mas podem apostar que isso não será sinônimo de impunidade e que novas incursões por aqui podem ocorrer. Detalhes: a quadrilha movimentou R$ 5 milhões em apenas 6 meses. Já são 18 acusados presos.

Empregos voltam a crescer;  março fecha com saldo positivo de 98; no ano +1001


Ao infinito... e além! Já se tornou enigmático o limite até onde (e até quando) crescerá os números relacionados a empregos em Fernandópolis. Envolta numa série de índices positivos históricos, eles não param de crescer. Segundo o Caged, no mês passado foram gerados 756 empregos formais no município, com desligamentos de 658. Resultado: saldo positivo de 98. No ano o índice é de +1.001 e, computados os últimos 12 meses é de 1.061. Números ótimos comparativamente aos da região noroeste.

Comparativos parte I

Analogamente, Votuporanga, considerada epicentro nesse quesito, pena para disputar com Fernandópolis. Em março até venceu, por pequena margem, com saldo positivo de 172. Porém quando miramos o resultado anual, eles pararam nos 230 novos empregos formais. No comparativo dos últimos 12 meses a diferença também é enorme: apenas 277 novos postos de trabalho.

Comparativos parte II

Defrontar os números com Jales está quase beirando a covardia. Por lá foi saldo negativo de 15 empregos em março, +362 no ano e apenas +113 nos últimos 12 meses. Em Santa Fé foram 27 no mês passado, 135 neste ano mas, nos últimos 12 meses estão com 812. Rio Preto é o líder regional com 284 no mês; 1.481 neste ano e 1.936 nos últimos 12 meses.

Aeroporto: 6 mil voos e crescendo

Uma conquista das mais celebradas e que coloca o município num novo patamar. Não! Não nos referimos à iminente inauguração das Lojas Havan, mas sim a confirmação emanada pelo governo estadual através do vice Rodrigo Garcia-DEM (foto) de que o aeroporto “Domingos Pignatari” passará, no segundo semestre, a ter seis voos semanais de Ribeirão Preto (e de lá com diversas opções de escalas) através da empresa aérea Passaredo. Relembrando, a pista de lá realizou no ano passado mais de seis mil pousos e decolagens e já está incluso na categoria de “aeroporto estadual” (antes era municipal) e deve, brevemente, ser incluído no programa de privatização.

Pesquisas: a vez e a hora dos cidadãos de Guarani e SJ Duas Pontes

Como a população dos dois municípios da região está avaliando os governos Executivo e Legislativo? Qual a nota que dão para os mais diversos setores que compõem a administração pública e como veem uma possível recandidatura de Nilson Caffer e José Baruci? Estes e outros dados estão disponíveis nas páginas deste Caderno, resultantes de pesquisas realizadas em ambos os municípios. No próximo sábado, 04, divulgaremos a opinião dos eleitores de Ouroeste e Estrela D´Oeste.

In Off

CNBB: região na presidência

Com eleições programadas para o próximo mês de maio, a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil pode ter na presidência Dom Orani Tempesta, que por vários anos respondeu pela Diocese de Rio Preto e também atendia em Votuporanga. Publicação da revista “Carta Capital” crava o seu favoritismo para vencer o pleito e aponta que sua vitória representaria o fim da hegemonia da esquerda no comando da entidade. Atualmente Dom Orani, tido como da ala conservadora, é o cardeal do Rio de Janeiro.

Venda de ativos: para novas obras


A diferença entre fazer o certo e o errado é básica. Enquanto Fernandópolis “queima” o patrimônio público para pagar dívidas, na cidade vizinha de Votuporanga a situação é similar.“Pero no mucho”. O prefeito João Dado colocou à venda 15 terrenos situados na avenida Horácio dos Santos. A diferença substancial com aqui: o dinheiro arrecadado por lá tem uma destinação mais nobre e relevante: será investido em novas obras de infraestrutura urbana, dentre elas um viaduto. 

Decepção com Área Azul: I

Não vamos cá imiscuir-nos na qualidade dos serviços ofertados pela Central Park, detentora, por anos a fio, da exclusividade para exploração do estacionamento na área central fernandopolense. Isso fica para depois. Relataremos é a decepção com os números iniciais da operacionalidade. O repasse para a Prefeitura, referente ao arrecadado em março ainda não foi efetuado. Deveria ter sido no 5º dia útil.

Decepção com Área Azul: II


O abacaxi pior está no valor repassado (gostaria de saber qual órgão da Prefeitura fiscaliza os valores). A previsão era de arrecadação de R$ 41,6 milhões em 10 anos. Usando os valores oficiais de dezembro, janeiro e fevereiro e projetando-os ao longo do período, vemos que sequer chegam à metade do estabelecido contratualmente. Estimativa mal feita, só para variar.

últimas