POLÍTICA

Reforma da Previdência proposta por Bolsonaro acaba com abono salarial em São Paulo e mais quatro estados

Reforma da Previdência proposta por Bolsonaro acaba com abono salarial em São Paulo e mais quatro estados

Esse benefício é destinado a trabalhadores de baixa renda e funciona como um 14º salário, pago pelo governo.

Esse benefício é destinado a trabalhadores de baixa renda e funciona como um 14º salário, pago pelo governo.

Publicada há 1 semana


A reforma da Previdência do presidente Jair Bolsonaro (PSL) acaba com o pagamento do abono salarial em cinco estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Esse benefício é destinado a trabalhadores de baixa renda e funciona como um 14º salário, pago pelo governo.

Hoje, quem tem carteira assinada e recebe até dois salários mínimos (R$ 1,9 mil) por mês tem direito ao abono salarial, cujo valor é de um salário mínimo (R$ 998).

Mas, pela proposta de Bolsonaro, o critério da renda mensal será alterado para um salário mínimo. A medida restringe bastante o grupo de trabalhadores que podem sacar o benefício.

Em pelo menos cinco estados do país vigora um piso mais alto do que o nacional. Em São Paulo, por exemplo, o salário mínimo para quem é contratado com carteira de trabalho, é de R$ 1.100,00.

*Com informações Folha de S. Paulo

últimas