REBATEU

Doria responde Bolsonaro sobre F1: ‘Não é hora de eleição. É momento de gestão’

Doria responde Bolsonaro sobre F1: ‘Não é hora de eleição. É momento de gestão’

O episódio reforça o afastamento gradual entre o governador paulista e o presidente.

O episódio reforça o afastamento gradual entre o governador paulista e o presidente.

Publicada há 3 semanas

Em resposta ao presidente Jair Bolsonaro, que defendeu a transferência da Fórmula 1 de São Paulo para o Rio de Janeiro, o governador João Doria (PSDB) disse ao jornal Estado de S. Paulo, nesta segunda-feira, 24, que a questão da Fórmula 1 “não é política”.

“A questão da Fórmula 1 não é política. É econômica. Não é hora de eleição. É momento de gestão”, disse o tucano.

Bolsonaro disse nesta segunda-feira, 24, a jornalistas que Doria “parece que quer ser presidente” em 2022 e que por isso deveria pensar no Brasil “e não no seu estado”. “Não vai ter guerra, não, somos Brasil. A imprensa diz que ele será candidato à Presidênciaem 2022, então ele tem de pensar no Brasil. Se ele disputar a reeleição, aí ele pensa no seu Estado. Melhor ficar no Rio do que não ficar em lugar nenhum”, disse Bolsonaro. O contrato do evento com a capital paulista acaba no ano que vem.

O episódio reforça o afastamento gradual entre o governador paulista e o presidente, que foi apoiado por Doria na disputa presidencial do ano passado. Ambos são pré-candidatos ao Palácio do Planalto.

O presidente Jair Bolsonaro negou que a transferência do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 de São Paulo para o Rio de Janeiro vá gerar uma “guerra” entra as duas capitais.

Para ele, a mudança está sendo negociada para garantir que a prova permaneça no Brasil.

Já no entorno de Doria, há a confiança absoluta de que a prova não deixará Interlagos por vários motivos. De acordo com o jornal "O Globo", o grupo que apoia Doria acredita que o grupo que quer construir o autódromo carioca não conseguirá levantar os US$ 200 milhões necessários para a obra e muito menos superar os entraves ambientais que o Ministério Público já colocou na mesa.

Fonte: sbtinterior.com

últimas