CELEBRIDADE

Elba Ramalho conta que está no momento mais sereno de sua vida

Elba Ramalho conta que está no momento mais sereno de sua vida

A nova idade chegou há poucos dias, mas, não teve grandes comemorações.

A nova idade chegou há poucos dias, mas, não teve grandes comemorações.

Publicada há 2 semanas

Tenho andado tão serena. O vermelho me atravessa. Qualquer brisa me desperta. Já não ando tão depressa”. Os versos são de “Na areia”, música composta pelo pernambucano Juliano Holanda especialmente para Elba Ramalho. Mais que depressa, a cantora se apropriou dela. Ou teria sido o contrário. Já que serenidade é o que ela exala e a preenche. Aos 68 anos, 40 de estrada, dezenas de sucessos cantados, filhos criados, árvores plantadas... O que falta? “Estou no momento mais sereno da minha vida. Já não tenho tanta pressa. Porque a maturidade traz sabedoria para você saber se expressar e se jogar na vida. Porque até para se jogar há de se ter sabedoria”, avalia.

A nova idade chegou há poucos dias. Não teve grandes comemorações. Elba quase sempre está na estrada. “Os fãs fazem várias festinhas pelas cidades em que passo. Eu não me ligo muito em aniversário, não sou de planejar festas. Todo ano a gente faz um sarau aqui em casa, com amigos”, conta ela, que prefere não contabilizar anos: “Não existe envelhecer para o artista. Eu me sinto muito em paz, com muita saúde e muito jovem ainda. É como se eu não quisesse enxergar o envelhecer. A gente vai atropelando o tempo. Eu nem estou atropelando, eu estou saboreando o tempo muito bem”.

Sem fé, ela nada seria

E uma mulher pacífica não quer guerra com ninguém, certo?. Um norte para Elba Ramalho que se pauta na fé para lidar e aprender com a vida. “Sem fé eu não viveria. Poderia até achar que estava vivendo, mas não estaria. A devoção à Nossa Senhora vem da infância. Embora eu tenha passado um tempo longe dessa religiosidade, experimentando outras coisas, em nenhum momento eu deixei de escrever cartinha para Deus e botava nas árvores, debaixo das pedras... Sempre acreditei que a morte não tem a última palavra. Essa certeza me deixa muito forte. Sou raçuda que só, mas a fé me faz esse comportamento mais delicado para com o mundo. Serenidade".

últimas