DURANTE SESSÃO

Vereador pede providências no controle da ‘população’ de pombos

Vereador pede providências no controle da ‘população’ de pombos

Para o vereador, tem que haver uma ação rápida e urgente por parte da Prefeitura.

Para o vereador, tem que haver uma ação rápida e urgente por parte da Prefeitura.

Publicada há 1 mês

Assessoria de Imprensa da Câmara de Fernandópolis

O vereador Salvador Castro de Souza cobrou na terça-feira, 10, durante sessão ordinária da Câmara de Fernandópolis, medidas efetivas no controle da “população” de pombos no município. Salvador explicou que a proliferação desordenada, especialmente em prédios e locais públicos está preocupando os munícipes, já que é um grave risco à saúde pública. “A situação já é crítica nas escolas, creches, unidades de saúde, velório municipal e centro cultural, sem contar nas praças”, falou Salvador.

Salvador lembrou que há pouco tempo a Câmara aprovou um Projeto, de autoria do vereador Mileno Castro Tonissi, que proíbe a alimentação de pombos e manutenção de abrigo para alojamento dessas aves. 

Para o vereador, tem que haver uma ação rápida e urgente por parte da Prefeitura, uma vez que a maioria dos prédios públicos está infetada de pombos. “Na escola em que eu trabalho (Gaspar Ruas), o pátio precisa ser lavado todos os dias para a retirada de fezes dos pombos, além do risco à saúde que esses pombos trazem. Nós estamos falando de coisa séria gente, de escolas com crianças, de postos de saúde”, contou.

Recentemente, Salvador disse que estava no Velório Municipal e que foi constado que o ar condicionado não estava ligado porque havia pombos no aparelho. “Parece uma coisa simples, mas não é não. É gravíssima essa situação. Em Rio Preto, uma criança perdeu a visão depois de ser contaminada por uma doença provocada pelo pombo. Então, fiz esse requerimento pedindo urgência quanto a essa questão”.

Salvador ainda citou que a medida deveria ser tomada por parte da Prefeitura, no intuito de mudar as estruturas prediais, impedindo a procriação, e não matando as aves.

últimas