POLÍTICA

Universidade Brasil: dos 22 detidos, só restam oito acusados presos

Universidade Brasil: dos 22 detidos, só restam oito acusados presos

Apesar de fraudes beirarem R$ 2,5 bilhões, 14 acusados já foram libertados

Apesar de fraudes beirarem R$ 2,5 bilhões, 14 acusados já foram libertados

Publicada há 2 semanas

“É um erro imperdoável”, afirma Doria após ter conhecimento desta coluna

A  frase acima (“é um erro imperdoável”) foi, segundo um interlocutor de altíssima confiabilidade e que ocupa cargo de relevo no Palácio dos Bandeirantes, dita pelo próprio governador João Doria, na segunda-feira, 21, após ler, por meio digital (www.oextra.net) a coluna aqui publicada no último dia 19. Ela se referia à nomeação da atual dirigente da Divisão Regional de Assistência Social-Drads de Fernandópolis, a santa-fé-sulense Rosana Cardoso. Lá alocamos que não bastasse os queixumes patrocinados, sobretudo por tucanos local, que preferiam um nome fernandopolense a comandar as ações sociais nos 49 municípios a ele subordinados, ainda sobrepomos o motivo da adjetivação “imperdoável” supostamente explanada por Doria: a atual dirigente é filiada ao Partido dos Trabalhadores. Isso mesmo! Chega a causar espanto tamanho lapso. Há! Dizem que o atual líder do governo na Assembleia, Carlão Pignatari, negou qualquer ingerência na nomeação de Rosana Cardoso.

Quatro empresas/empresários de Fernandópolis estão entre os finalistas do Prêmio Líderes Regionais Noroeste Paulista 2019, considerado por muitos o maior prêmio empresarial da região. A seleção dos indicados foi dividida em três etapas, todas auditadas pela empresa AWARD Auditores Independentes e os vencedores serão revelados no dia 12 de novembro. Dentre eles estão a Secol, do empresário Júnior Sequini, que concorre como melhor empresa no segmento de varejo; a empresária Ana Cláudia (Supermercado Pessoto) que concorre como jovem empreendedor; Cleber Faria (Cervejaria Império) que disputa como empresário do ano e o Grupo Arakaki, destaque como melhor empresa no segmento de agronegócio. O LIDE Rio Preto é formado por mais de 115 empresas que, juntas, faturam cerca de R$ 30 bilhões ao ano.


Com a transferência de título, Gilmar busca assumir o protagonismo na oposição 

A eleição federal do ano passado mostrou que muitas vezes, mais que ideologias, projetos e vida pregressa, o eleitor leva em consideração o posicionamento do candidato. Basta ver como Bolsonaro consolidou-se como o anti-PT e levou a disputa. Pois, por cá, o ex-deputado Gilmar Gimenes, deu um golpe de mestre nesta semana. Além de obedecer ao calendário eleitoral que exigia a transferência de seu Título de Eleitor para Fernandópolis, ainda procedeu à divulgação do ato, através do site e edição diária deste jornal (quinta-feira, 03), colocando-se numa posição diametralmente oposta ao do atual prefeito e recandidato nato André Pessuto. Contando com uma agremiação forte e numerosa, a do PSDB, Gimenes busca assumir a liderança oposicionista, fazendo prever futuras ações contundentes e declarações de impacto. É... Vai ter disputa!

Mas até o final, quem resistirá?

Nomes de expoentes lideranças, por enquanto, abundam. Dentre os mais cotados, por agremiação partidária, estão André Pessuto-DEM, o recandidato nato; Henri Dias-PTB; Renato Colombano-Republicano e Cabo Santos-PSL. Num segundo grupo alocamos José Carlos Zambon-PDSB, Murilo Jacob-PR, Adélia Menezes-Republicano e Maisa Rio-PSDB. Ana Bim já nos afirmou que estará longe das urnas, ao menos no próximo ano. Compreensível.


Uma vitória que vale muito

Domingo, às 10h00, no Cláudio Rodante, 11 atletas entram em campo para defenderem as cores do Fefecê contra o Rio Branco, precisando de uma vitória simples para avançar de fase rumo à ascensão para a Série A-3 do Paulistão. Mas a partida vale muito mais que isso. Com nova diretoria estruturada após a prisão de dirigentes anteriores e com a recomposição de patrocinadores da camisa, a vitória garante o recebimento, ainda que parcial, dos salários atrasados.

Última esperança; depois... Só Deus

Se vencerem, passam de fase, garante a percepção de salários atrasados (cerca de três meses estão em aberto) e ainda mantém o emprego dos atletas, comissão técnica e auxiliares, ao menos até próximo do final deste mês. Mas infelizmente existe a hipótese contrária. Em caso de desclassificação é de se prever imensas dificuldades para a diretoria quitar os débitos. Lembrando que, além dos patrocínios da camisa, a presidência conta com bom público no estádio.


Vagatomia: dos 22 inicialmente detidos, só restam 8 presosIsso se nenhum outro acusado for solto no lapso temporal entre a impressão deste diário e sua distribuição aos leitores. E o número de detidos pela Operação Vagatomia, desencadeada pela Polícia Federal e Ministério Público Federal na unidade local da Universidade Brasil, após um mês e dois dias, só vai despencando. Dos 22 inicialmente presos no dia 03 de Agosto, apenas oito estão recolhidos atualmente. Somente nesta semana foram liberados o estudante Kayke Velasco, a médica Aurélia Souza Ferreira e o líder evangélico Rosival Molina. Esses três, libertados na última segunda-feira, 30. Na quinta-feira, 26, o reitor José Fernando Pinto da Costa já havia sido liberado. Para completar, na quarta-feira, 02, o advogado fernandopolense Orlando Pereira Machado Júnior foi beneficiado por um Habeas Corpus junto ao Superior Tribunal de Justiça-STJ. Apesar de imposição de restrições impostas pela Justiça, fica um sentimento de impunidade, afinal, a Polícia Federal estima em até 2,5 bilhões o volume de fraudes.  


Quem está certo? Investir em Frota ou energia?Uma divisão regional que demandará algum tempo para consolidar qual dos lados tem razão. Por um prisma estão as Prefeituras de Santa Fé do Sul e Ouroeste que devem investir R$ 1,8 milhão e R$ 5 milhões, respectivamente em parques solares, visando à produção de energia elétrica para as instalações públicas municipais, ou Fernandópolis que, no rumo oposto, colocará R$ 7,4 milhões na aquisição de novos veículos para integrar a Frota Municipal. 

Recursos vêm de empréstimos

Eis o motivo da dúvida. Os munícipes ouroestenses, santa-fé-sulenses e fernandopolenses terão que pagar os valores dispendidos por Livia Oliveira (foto), Ademir Maschio e André Pessuto, respectivamente, afinal os recursos para essas empreitadas provêm de empréstimos bancários. No caso de Santa Fé a previsão é de que a economia para os cofres municipais seja de R$ 500 mil ao ano. Em Ouroeste de R$ 1,2 milhão ao ano. Em Fernandópolis não conseguimos a quantificação oficial.


Nada do “Nossa Casa” por aqui53 unidades em Estrela; outras 200 em Valentim; mais 75 em Macedônia e, pasmem, nenhuma em Fernandópolis. Eis o saldo do programa “Nossa Casa” lançado pelo Estado na semana passada e que, num primeiro momento construirá 1.560 habitações populares em 120 municípios Estado afora. A exclusão do município, a princípio, preocupa, mas, analisando os motivos elencados pelo governo estadual, dá até para compreender.

E não estamos sós. Resta aguardar

Primeiramente, não é só o governo Pessuto (foto com o deputado Itamar Borges) de Fernandópolis que ficou excluído. Junto estão outros municípios da região, tais como Rio Preto, Votuporanga, Jales e vários outros de menor porte. O segundo, haverá novas fases do programa que pretende levantar até 2022 60 mil unidades, ou seja, basta se inscrever. O terceiro, é que foram priorizados municípios que já tinham disponibilizados terrenos para o CDHU. Pelo visto, oportunidade é o que não irá faltar, pois R$ 1 bilhão é muita grana.


Brasil & Mundo

Polícia Civil-SP: o segundo pior salário do BrasilUm levantamento divulgado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia de SP mostrou que os delegados paulistas têm o segundo pior salário do país, com R$ 9,8 mil iniciais (só à frente de Pernambuco). Investigadores e escrivães, com R$ 3,7 mil iniciais, também os penúltimos na escala remuneratória. Problema para o governador João Doria (foto) equacionar.

Definido limites de gastos para as Eleições 2020: conheça os valores para Fernandópolis e regiãoO Senado Federal, presidido por Davi Alcolumbre (foto) aprovou na última quarta-feira, 02, o projeto de lei que limita os gastos nas eleições para prefeito e vereadores do próximo ano. Na realidade, os números permanecerão os mesmos de 2016, porém corrigidos pela inflação. Naquela ocasião, os índices para o colégio eleitoral fernandopolense foram de R$ 557 mil e de R$ 20 mil (para prefeito e vereadores respectivamente). Em Ouroeste, cujos valores acompanham os da maioria dos municípios que tenham menos de 10 mil eleitores, foram de R$ 114 mil e R$ 10 mil. Em Votuporanga foi de R$ 295 mil e de R$ 31 mil, respectivamente. Bolsonaro sancionou o projeto ontem.

Liberar garimpo em terras indígenas?O ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque (foto) afirmou que já está na Casa Civil e deverá ser apresentando ainda neste mês um projeto que libera atividades exploratórias - inclusive o garimpo - em terras indígenas. Ainda não se tem detalhes da medida, defendida como bandeira pelo presidente Bolsonaro.

Hang quer pagar despesas de antipetistaE o dono da Havan Luciano Hang se ofereceu a pagar as despesas que Gilberto Júnior - aquele que gravou um vídeo contra Zé Guimarães-PT -, tiver em virtude de processo judicial. Júnior chamou o deputado petista de “Capitão Cueca” e o acusou de enviar dinheiro para Cuba. 

Frase da Semana

"R$ 2 milhões é bastante dinheiro... Para locação de equipamentos de informática. Nós iremos fazer uma licitação de mais de R$ 2 milhões para locar computadores”.

Do vereador fernandopolense João Pedro-PTB (foto) durante uso da Tribuna na sessão ordinária da última terça-feira, 01, questionando o alto valor destinado pela atual administração municipal (em uma licitação) para ser usado em aluguel de computadores.



últimas