ARTIGO

A viagem à Ásia e expectativas para a próxima reunião dos BRICS

A viagem à Ásia e expectativas para a próxima reunião dos BRICS

Por Fausto Pinato

Por Fausto Pinato

Publicada há 3 semanas

A agenda de visitas a nível presidencial marcada para os próximos dias, de 21 a 31 de outubro, sinaliza a valorização por parte da República Federativa do Brasil do fortalecimento dos laços com alguns de seus mais importantes parceiros asiáticos. Japão, China, Emirados Árabes, Catar e Arábia Saudita compõem a lista.

               Enquanto presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, a visita a este país terá uma razão especial de ser. Maior parceiro comercial de nosso país, e de interações crescentes nas mais variadas áreas, a República Popular da China demonstra, como já o disse uma vez, sintonia com o nosso pensamento de que é do interesse recíproco o ânimo pela harmonização dos interesses das duas Nações - sempre prezando por crescimento econômico, inovação e segurança jurídica. A busca por soluções claras, pelo estabelecimento e uso de mecanismos, canais e práticas do ‘estado da arte’ é de irrefutável fundamento. E isso aplicado com o conhecimento das peculiaridades que caracterizam cada país, de forma a obter sempre os melhores e mais confiáveis resultados.

               Vem também à mente a próxima Cúpula do BRICS, a décima primeira, a ser realizada novamente em Brasília, nos dias 13 e 14 de novembro, trazendo o seguinte lema: “crescimento econômico para um futuro inovador”. A presença dos cinco chefes de Estado atesta o peso do encontro. Sobre a temática circunscrita à XI Cúpula do BRICS, estarão entre as prioridades  a cooperação em matéria de inovação e uma maior interação do Novo Banco de Desenvolvimento com as questões de interesse empresarial. Mais uma vez, ressalta-se a primazia de soluções ótimas, seguramente embasadas, cientes das particularidades de cada situação, holisticamente desenvolvidas.

               É nesse contexto que, enquanto presidente da Frente Parlamentar BRICS, integrarei a cimeira num caráter singular. O foco no aprimoramento das relações bilaterais com os demais membros, Rússia, Índia, China, África do Sul, se fará na visão de que estas sejam cada vez mais práticas, construtivas, sólidas. São países que sem dúvida têm muito a contribuir entre si, fortalecendo-se mutuamente.

               Visando invariavelmente ao desenvolvimento do Brasil e de seus pares, como presidente da Frente Parlamentar BRICS, trabalharei para que também o Congresso integre o esforço para a expansão, o amadurecimento e a potencialização das relações entre cada dos participantes da Cúpula e o Brasil, em todas as áreas da vida econômica, social, cultural, humana.


*Fausto Pinato é advogado e exerce o segundo mandato de Deputado Federal (PP-SP). Presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, da Frente Parlamentar BRICS, e da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados

últimas