SEM PERSPECTIVA

Ainda com chances de vaga na A3, futuro do Fefecê é incerto para 2020

Ainda com chances de vaga na A3, futuro do Fefecê é incerto para 2020

Sem diretoria e com poucas perspectivas, clube tem chance de não disputar competições oficiais no ano que vem

Sem diretoria e com poucas perspectivas, clube tem chance de não disputar competições oficiais no ano que vem

Publicada há 4 meses

Gustavo Jesus

No dia 19 deste mês o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), terminará de julgar o caso onde o Batatais é acusado de manipulação de resultados na Série A3 do Campeonato Paulista de 2019 para beneficiar apostadores. Depois de dois votos, o placar para o rebaixamento do Fantasma da Mogiana está em 1 a 1 . Ainda restam os voto de sete auditores.

O que poderia ser a coroação da campanha do Fefecê em 2019, quando terminou na terceira colocação do Campeonato Paulista da Segunda Divisão - já que a Águia seria a herdeira natural da vaga -, serviu na verdade para escancarar a precária situação do clube.

SEM DIRETORIA
O Fefecê terminou o ano com o gerente de futebol José Viriato ocupando de maneira oficial a presidência do clube. Porém, a trinca formada pelos empresários José Fernando, o Zé do Gás, Jerri Falcão e Júnior Deto, era quem comandava o clube na prática, com Zé do Gás emulando a figura de presidente.

Depois da eliminação contra o Marília nenhum dos três manteve-se a frente do clube para começar o planejamento da temporada seguinte. Não bastasse a falta de um projeto, na última semana algumas questões envolvendo as dividas deixadas com os atletas neste ano fez parte do grupo que comandou o time na reta final rachar.

FALTA DE PATROCÍNIO
A situação dos clubes do futebol do interior de São Paulo tem ficado mais complicada a cada ano. A falta de incentivo da Federação Paulista e métodos antiquados de administração são parte da receita que levaram tais clubes à decadência. Não bastassem as dificuldades inerentes ao caso, a crise econômica do país tem prejudicado com consistência a captação de patrocínios.

Mesmo com a excelente campanha desde o início da Segundona, quando o ex-presidente e vice Oclécio Dutra e Ricardo Saravalli foram presos, a diretoria que assumiu o clube no seu lugar conseguiu levantar valores insuficientes para pagar os débitos e terminar o ano com o balanço minimamente no azul.

SEM BASE

Ativo fundamental para os grandes clubes do país, as categorias de base do Fefecê nunca contou com um projeto visando a formação de atletas para o time profissional. A falta deste trabalho impede que o time possa, além de ganhar dinheiro com a venda de atletas, ter onde recorrer em épocas de investimento baixo e poucas contratações

últimas