ARTIGO

Caminhos cruzados

Caminhos cruzados

Por Amaury Cesar Soares

Por Amaury Cesar Soares

Publicada há 3 meses

Gabriel parou o carro em um posto de gasolina na cidade de São Paulo. Ele tinha uma indústria em Belo Horizonte e havia ido à capital paulista à procura de peças. Já estava quase anoitecendo, ele havia efetuado compras o dia todo. Conseguira encontrar quase tudo. Só lhe faltou um item: um conjunto de pinças para torno revólver. Como as peças precisavam ser embaladas e acondicionadas para a viagem, combinou com os vendedores que passaria no dia seguinte para pegá-las. Pretendia regressar a BH à tarde. Estava aguardando o abastecimento do veículo quando foi abordado por um homem.

- Senhor, boa noite.

- Boa noite.

- O senhor é de Belo Horizonte? Vi pela placa que o veículo é de lá.

- Sim, sou de Belo Horizonte.

- O senhor poderia nos dar uma carona? Para mim e para minha mulher. Ela está grávida. Viemos para São Paulo à procura de emprego. Pretendíamos ficar na casa de uns parentes, mas eles se mudaram. A gente não sabia. Só tínhamos o suficiente para o ônibus. Acabamos aqui, sem dinheiro e sem lugar para ficar. Estamos há três dias sem comer, procurando um jeito de voltar para Belo Horizonte. Até agora não conseguimos nada.

- Qual o seu nome?

- José.

- Prazer, senhor José. Eu me chamo Gabriel.

-Prazer.

- Olha, eu não vou voltar hoje. Tenho coisas para resolver amanhã e devo voltar para Belo Horizonte à tarde. Se vocês não conseguirem nada até lá, posso levá-los. Mas onde está sua esposa?

- Está ali.

José chamou a mulher, que se aproximou envergonhada. Pelo tamanho da barriga, a criança não demoraria muito para nascer.

- Maria, este é o senhor Gabriel. Ele disse que, se esperarmos até amanhã, nos dará uma carona até Belo Horizonte.

- Muito obrigado. O senhor vai nos tirar de um aperto muito grande.

Abastecido o veículo, Gabriel levou Maria e José até um pequeno hotel que ficava próximo ao posto de gasolina. Pagou a hospedagem e as refeições. Deixou combinado que voltaria no dia seguinte, assim que resolvesse seus problemas, e os levaria para BH, caso ainda estivessem ali.

No dia seguinte, conforme combinado, Gabriel passou para pegar as mercadorias adquiridas. Resolveu também fazer uma última tentativa para localizar o item que não havia encontrado no dia anterior. Não conseguiu.

- O senhor não vai encontrar. Faz tempo que a fábrica deixou de produzir.

Já no final da tarde, saindo de mais um estabelecimento onde não obtivera êxito, Gabriel foi abordado por uma pessoa:

- O senhor é dono do estabelecimento?

- Não, por quê?

- Estou tentando vender umas peças. Preciso muito de dinheiro. Minha mulher está doente, tem que fazer uma cirurgia.

- Que peças o senhor está vendendo?

- É um conjunto de pinças para torno revólver.

- Eu compro. Quanto o senhor quer pelas peças?

Resolvidas todas as pendências, Gabriel passou no posto de gasolina (como havia prometido) e levou Maria e José de volta para Belo Horizonte. No caminho, José confidenciou-lhe:

- A Maria estava achando que o senhor não ia voltar. Ela disse que o senhor não era gente. Era um anjo que Deus havia enviado para nos ajudar.

Os fatos reproduzidos acima me foram narrados por um amigo. No relato, eu o chamei de Gabriel. Maria e José foram nomes que criei para as duas pessoas que ele conheceu naquele posto de gasolina.

Alguns encontros improváveis ocorreram naqueles dois dias. Os caminhos daquelas pessoas se cruzaram para que elas pudessem se ajudar. Foram apenas coincidências? Creio que muitos pensarão assim. Eu penso diferente. Acho que muitas vezes somos instrumentos de uma força maior, que atua sobre as nossas vidas, sobre as nossas ações, para que as coisas cheguem a um bom termo. Como disse William Shakespeare: “há mais mistérios entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia”.

Eu acredito que todos têm o seu anjo da guarda. Acredito que eles nos ajudam nos momentos de dificuldades. Através deles, a bondade de Deus se faz presente na vida das pessoas. Quantas vezes fomos levados para caminhos que jamais imaginamos seguir. Que forças nos impeliram a tomar aquela direção e não outra? Só nos resta rezar e agradecer, porque no final tudo deu certo.

últimas