DESTAQUES

Retrospectiva 2019: confira o que foi notícia no mês de setembro

Retrospectiva 2019: confira o que foi notícia no mês de setembro

Relembre as matérias mais marcantes de 2019 noticiadas por O Extra.net

Relembre as matérias mais marcantes de 2019 noticiadas por O Extra.net

Publicada há 3 meses

CONFIRMADO: PIRATININGA, MACHADO, DUTRA E SARAVALLI FORAM PRESOS PELA FEDERAL

"Operação Vagatomia" foi deflagada pela PF na manhã de hoje. UniBrasil de Fernandópolis é o alvo

Amauri Piratininga, Orlando Machado, Oclécio Dutra e Ricardo Saravalli. Além deles, José Fernando (dono da UniBrasil) e seu filho foram presos pela PF. Foto: Arte/O Extra.net 

A "Operação Vagatomia", deflagrada no início da manhã desta terça-feira, 03, em Fernandópolis, em São Paulo, São José do Rio Preto (SP), Santos (SP), Presidente Prudente (SP), São Bernardo do Campo (SP), Porto Feliz (SP), Meridiano (SP), Murutinga do Sul (SP), São João das Duas Pontes (SP) e Água Boa (MT), resultou na prisão do diretor geral do campus local Amauri Piratininga (que também é servidor da Justiça Estadual no Fórum local), além do advogado e ex-professor Orlando Machado, e da cúpula do Fernandópolis Futebol Clube: Oclécio Dutra (presidente) e Ricardo Saravalli (vice).

A confirmação deu-se através de fontes ligadas à unidade jalesense da Polícia Federal e mais detalhes são divulgados ainda nesta manhã quando será concedida uma entrevista coletiva por parte da direção da PF.

Ao que parece, a princípio, as prisões de Piratininga e Machado são temporárias  ou seja, pelo prazo de cinco dias, após o qual, pode ser prorrogada, convertida em preventiva  ou até liberados; já as de Dutra e Saravalli seriam preventivas  - sem prazo delimitado.

A OPERAÇÃO
A Polícia Federal deflagrou uma operação nesta terça-feira, 03,para investigar fraude no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do governo federal. O dono da Universidade Brasil e outras 20 pessoas foram presas.

A Operação Vagatomia investiga esquema de fraudes na concessão do Fies e na comercialização de vagas e transferências de alunos do exterior (principalmente Paraguai e Bolívia) para o curso de medicina em Fernandópolis (SP).

Bolsas do Prouni e fraudes relacionadas a cursos de complementação do exame Revalida também estão sob investigação. Estimativas da Polícia Federal indicam que, nos últimos cinco anos, aproximadamente R$ 500 milhões do Fies e Prouni foram concedidos fraudulentamente.

O dono da Universidade Brasil em Fernandópolis, José Fernando Pinto da Costa, de 63 anos, foi preso em São Paulo, e o filho dele, que também é sócio do grupo educacional, preso no aeroporto de Guarulhos (SP), são apontados como o chefe do esquema.

A operação, deflagrada pela delegacia da PF de Jales (SP), conta com 250 policiais federais nas ruas para cumprir 77 mandados judiciais nas cidades de Fernandópolis, São Paulo, São José do Rio Preto (SP), Santos (SP), Presidente Prudente (SP), São Bernardo do Campo (SP), Porto Feliz (SP), Meridiano (SP), Murutinga do Sul (SP), São João das Duas Pontes (SP) e Água Boa (MT).

Entre os mandados expedidos estão 11 prisões preventivas, 11 prisões temporárias, 45 ordens de busca e apreensão e 10 medidas cautelares (alternativas à prisão). A Justiça Federal também determinou o bloqueio de bens e valores dos investigados até o valor de R$ 250 milhões.

O material apreendido será encaminhado para a PF em Jales (SP) para a realização de análise no interesse das investigações em curso.

Os presos foram indiciados pelos crimes de organização criminosa, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistemas de informações e estelionato majorado, cujas penas somadas podem chegar a 30 anos de reclusão.

Eles serão ouvidos e posteriormente conduzidos para cadeias da região de cumprimento da prisão onde permanecerão presos à disposição da Justiça Federal.

INVESTIGAÇÃO
A PF recebeu informações, no começo do ano, de irregularidades que estariam ocorrendo no campus de um curso de medicina em Fernandópolis (SP). Vagas para ingresso, transferência e financiamentos Fies para o curso de medicina estariam sendo negociados por até R$ 120 mil por aluno.

Durante oito meses de investigações, a PF concluiu que o chefe da organização criminosa é o dono da universidade onde as fraudes aconteciam, que também ocupa o cargo de reitor.

Segundo a PF, uma estrutura formada por funcionários e pessoas ligadas à universidade dava condições para que as fraudes fossem realizadas.

O esquema contava com “assessorias educacionais”, de acordo com a PF, e contava com o apoio dos donos e toda a estrutura administrativa da universidade para negociar centenas de vagas para alunos (muitos deles já identificados) que aceitaram pagar pelas fraudes a fim de serem matriculados no curso de medicina.

Um dos locais onde os policiais fizeram buscas foi em um haras, em Porto Feliz, que pertence ao dono da universidade preso na operação.

O OUTRO LADO
Até às 10h10 desta terça-feira, 03, a direção da UniBrasil ou qualquer de suas assessorias forneceu qualquer tipo de informação oficial sobre a ocorrência policial. Tão logo seja-nos informado, estaremos procedendo à atualização do texto. Tal procedimento será adotado também em relação aos acusados, seja através de pronunciamentos pessoais ou pelos seus advogados constituídos.


DONO DE PADARIA COLOCA MESA EM CALÇADA E DOA ALIMENTOS A MORADORES

Iniciativa se deu após comerciante perceber que poderia fazer o bem às pessoas carentes com os alimentos que sobravam no dia


Na última quinta-feira, 23, a reportagem de O Extra.net foi até o bairro Ubirajara, zona norte de Fernandópolis, para conhecer a iniciativa do empresário Amorin Diogo, proprietário da Padaria Ubirajara, que colocou uma mesa na calçada, defronte ao seu estabelecimento, onde doa alimentos para moradores carentes. 



De acordo com Amorin Diogo, a iniciativa surgiu após a sua filha ver um vídeo no facebook onde um empresário ao fechar o estabelecimento deixava uma mesa com alimentos para pessoas carentes. Assim que ela mostrou esse vídeo a família decidiu colocar a mesa todos os dias com uma mensagem "Se você precisar pode pegar".

O empresário destacou que se todos ajudassem uns aos outros, tudo poderia ser diferente. "Está dando tudo certo, nós dávamos outros fins para os pães, pão de queijo, rosca entre outros e resolvemos colocar a mesa solidária. Às vezes vai chegando perto das 20h e a gente já percebe que tem pessoas sentadas lá fora esperando, outras vêm até nós e pergunta se vamos por alimentos na mesa, aí nós pegamos e colocamos lá". 


FERNANDÓPOLIS DEVE PERDER R$ 15 MILHÕES MENSAIS E 1,3 MIL UNIVERSITÁRIOS COM FRAUDES NA UNIVERSIDADE BRASIL

1,2 mil estudantes de Medicina devem sair por "excesso de vagas"; outros 100 por fraudes no FIES e no Prouni

“Operação Vagatomia”: menos 1,3 mil universitários de Medicina no campi local
E  o momento que muitos temiam chegou. Fernandópolis irá, inevitavelmente, sofrer um abalo magnânimo em sua já fragilizada economia, decorrente da diminuição expressiva do número de estudantes no curso de Medicina na Universidade Brasil, abalado por sucessivos escândalos e que desta vez passou de todos os limites aceitáveis e varreu o nome da cidade país afora. Não será de uma só vez, mas, paulatina e continuadamente, cerca de 1,3 mil universitários deste curso migrarão da cidade, levando junto com eles uma expressiva geração de rendas e empregos, atingindo desde o setor imobiliário, passando pelo de alimentação, diversão, dentre outros. Previsivelmente, uma crise sem similar à vista e com os dias contados, a depender apenas de decisões administrativas junto ao Ministério da Educação e Cultura-MEC e na Justiça Federal de primeira e segunda instância. O número - 1,3 mil - é alto e nem mesmo uma mega-indústria conseguiria superá-lo. 

Perda para economia de Fernandópolis passará dos R$ 15 milhões mensalmente
D e onde provém tal número, essa deve ser a indagação remanescente. Socorrer-nos-emos das palavras do delegado de Polícia Federal Cristiano Pádua da Silva e do procurador federal Carlos Alberto Rios. A Universidade Brasil local tem autorização para alocar cerca de 700 alunos e disponibiliza cerca de 1,2 mil a mais que o “legalizado”. Além desse excedente, cuja resolução está no processo em fase recursal na Justiça Federal, ainda há outros cerca de 100 acadêmicos de Medicina envolvidos em compra de vagas, compra de FIES e transferências irregulares de universidades do exterior, principalmente Paraguai e Bolívia. Estes devem “cair” mais celeremente, mediante decisão administrativa do próprio MEC. Será um retrocesso econômico incomensurável, cujo valor, estimado por um economista local, será de, no mínimo, R$ 15 milhões mensais. Péssima notícia para todos nós!


Meio milhão em doação eleitoralE o empresário José Fernando Pinto da Costa (centro), o dono da Universidade Brasil, doou R$ 500 mil para a campanha governamental estadual passada. Preso junto com o filho na "Operação Vagatomia", Costa destinou essa quantia à campanha do candidato tucano eleito João Doria.  Junto com o filho, ele está detido mediante decretação de prisão preventiva, sendo que o Ministério da Educação deve assumir a direção do campi pertencente à universidade.


Polícia Federal critica operação da Polícia Civil
O delegado de Polícia Federal Cristiano Pádua da Silva criticou a Operação Asclépio realizada pela Polícia Civil paulista em 12 de maio passado sob o comando de policiais vinculados à Delegacia de Polícia de Assis.  Segundo o interlocutor, a ação desencadeou uma verdadeira destruição de provas por parte dos envolvidos, prejudicando a ação dos federais. Naquela atuação foram efetuadas 17 prisões - duas delas em Fernandópolis -, sem envolver qualquer líder do esquema.  

ADENDO:
Recebemos comunicação da Polícia Federal retificando a informação supra. Confira-o, na íntegra:

"Sobre possíveis críticas da PF em relação à Operação Asclépio, a PF ressalta a declaração em contrário do DPF Cristiano Pádua:  "Ao contrário do que consta em matéria publicada por mídia de Fernandópolis/SP (jornal extra), em momento algum fiz críticas à Operação Asclépio da Polícia Civil e do Ministério Público de Assis. Aliás, fiz questão de elogiar a Operação Asclépio expresssamente durante a entrevista coletiva. Em outro momento destaquei que, em razão da deflagração da Operação Asclépio, alguns integrantes da Organização Criminosa, que não foram presos, passaram a destruir inúmeras provas, o que obviamente não é uma falha ou erro da Operação citada e sim demonstrou o modo de agir criminoso dos investigados." Feitos os esclarecimentos, solicitamos a correção. Assessoria de Imprensa PF Jales/SP".

Atualização realizada às 11h59 de 08/09/2019.


A volta de quem já o foi: o ex vence?
Querer nem sempre é sinônimo de poder. Eis um dos mais antigos ditos políticos que servirá, e muito, para definir os nomes que concorrerão às Prefeituras. Muitos querem partir para a reeleição; na real, todos os que podem recandidatarem-se. O problema é que muitos deles não terão o apoio dos eleitores. Por exemplo: dizem que pesquisa que correu em Votuporanga nesta semana apontou tamanha vantagem do ex Júnior Marão que praticamente inviabiliza a recandidatura de João Dado.


Imagem da Semana

Jales, terça-feira, 03 de Setembro de 2019. Na sede da Polícia Federal daquela localidade se reúnem o procurador do Ministério Público Federal Carlos Alberto Rios, o delegado Regional de Combate ao Crime Organizado do Estado de São Paulo Marcelo de Carvalho e o delegado de Polícia Federal Cristiano Pádua da Silva para detalharem a recém-desencadeada "Operação Vagatomia" que desbaratou um esquema que rendeu até R$ 500 milhões à favor de uma quadrilha que se instalou junto ao campi local da Universidade Brasil. Novamente, e de pior forma possível, a imagem de Fernandópolis ganhou a região, o Estado e o país. Em menos de um mês é a terceira vez. As pretéritas foram a Santa Casa e o Grupo Petrópolis.


Recape de péssima qualidade: e aí?Num bairro - o Alta das Paineiras -, a comprovação já foi constatada até pela própria Prefeitura; nos outros... Certo é que o prefeito André Pessuto deve determinar que a Noromix de Votuporanga refaça toda a pavimentação naquele local sob pena de ser excluída de outras licitações e de outras sanções legais. Em alguns trechos o asfalto está se soltando, apesar do parco tempo da obra, tendo sido encontrado trechos com apenas 10 milímetros de recape. Uma verdadeira vergonha que não deve ficar barato.

Vereador diz que fiscalizou mas...
E vejam que interessante. Em postagem no Facebook datada de 15 de Julho último, o vereador João Pedro Siqueira afirma que estava fiscalizando os recapes executados pela Noromix, especificamente no bairro Coester. Ele disse que iria supervisionar as obras de R$ 5 milhões (fruto de empréstimos) por toda a cidade. Não há registro público, até agora, de que ele tenha encontrado defeitos nas obras, tal como o denunciado no Alto das Paineiras.  


Vanuê e Walter Faria denunciadosA força-tarefa da Lava Jato denunciou na quarta, 04, o empresário fernandopolense, bem como o sobrinho Vanuê Faria por 12 crimes de lavagem de dinheiro. As operações no exterior (Suíça) ocorreram em 2006 e 2007 e envolvem US$ 3,6 milhões. Essa é a primeira acusação formal contra Walter Faria na Lava Jato e, conforme afirma o Ministério Público Federal-MPF do Paraná, outras devem ser apresentadas. Walter continua preso em Curitiba. 

Já Cleber Faria ficou de fora
Destino simetricamente oposto teve o também empresário Cleber, irmão de Vanuê e sobrinho de Walter: não foi denunciado pelo MPF.  Cleber chegou a ser preso na mesma operação - Rock City - e acabou sendo liberado pela juíza Gabriela Hardt. Tanto ele quanto Vanuê afirmaram em depoimentos que a Petrópolis serviu de “banco” para a Odebrecht. Segundo a Promotoria, o grupo é acusado de desviar cerca de R$ 329 milhões para o exterior.


A caminho dos 100 mil habitantesFernandópolis + Tanabi = Votuporanga?

Cada vez dista mais a década de 70 quando o número de habitantes de Fernandópolis se aproximou muito e quase que passou a quantidade de moradores de Votuporanga, principalmente quando Parisi se emancipou. Agora, literalmente, virou motivo de gozação. Basta vermos que após a divulgação das novas estimativas do IBGE, o que mais se ouviu por lá é que o número de habitantes de Votuporanga (94.547) corresponde ao de uma Fernandópolis inteira (69.119), somada a uma Tanabi também inteira (25.967). É chato, para nós, é claro, mas é uma realidade inescondível, assim como também o é o fato deles ainda estarem longe do sonho de chegarem aos 100 mil habitantes. Houve precipitação, sobretudo no meio político, que aguardava a transposição do índice nessa divulgação. Falhou, repetindo a expectativa do Censo de 1990, quando até celebração chegou a ser organizada.


PREFEITO ANUNCIA VINDA DE NOVA EMPRESA PARA FERNANDÓPOLIS

Por meio de credenciamento do SISBI, “Delícias do Porco” chega ao município e vai gerar novos empregos

Durante coletiva para divulgação do credenciamento do SISBI (Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal) em Fernandópolis, na manhã desta sexta-feira, 20, um dos destaques foi o anúncio feito pelo prefeito André Pessuto, sobre a vinda da indústria “Delícias do Porco”, que no prazo máximo de 15 dias inicia seus trabalhos no município.

A vinda da “Delícias do Porco” em Fernandópolis foi possível graças ao credenciamento do município no SISBI e vai gerar, de início, 20 novos empregos, aumentando as vagas gradativamente. 

Nova empresa deve ajudar números positivos de geração de empregos registrados neste ano. Foto: Assessoria de Comunicação PM Fernandópolis

“Há tempo estamos esperando essa liberação para que nossa empresa possa comercializar produtos por todo Brasil e encontramos em Fernandópolis essa possibilidade. Em contato com o vereador Murilo Jacob e, posteriormente, com o prefeito André Pessuto, fomos muito bem recebidos e decidimos desenvolver nosso trabalho nesta cidade, onde queremos gerar muitos empregos. Parabéns Fernandópolis, essa conquista vai ficar na história da cidade”, comentou Jeferson Sestari, proprietário da “Delícias do Porco”, na ocasião acompanhado pelos sócios Dorival Oel Pintor e Célio Marcos Orsai.

“Fernandópolis ganha uma nova empresa com produtos de origem animal, a primeira de muitas que virão com a conquista do SISBI. Agradeço os empresários da “Delícias do Porco”, que acreditaram em nossa cidade e deixo aqui meu apoio e incentivo para que ampliem seus trabalhos gerando cada vez mais empregos à nossa população”, disse o prefeito André Pessuto. 

Alguns detalhes técnicos serão definidos e apresentados na próxima semana ao Conselho do PRODESF – Programa de Desenvolvimento Sustentável de Fernandópolis que fará a avaliação final dos documentos. 


POLÍCIA PRENDE FALSO MÉDICO QUE ATUOU NA SANTA CASA DE FERNANDÓPOLIS

Ele teria cursado Enfermagem e usou documentos falsos

Foi preso por policiais civis integrantes do Plantão Policial Permanente de Fernandópolis, Israel Souza de Menezes. Ele é acusado de se passar por médico atuando na Santa Casa de Fernandópolis.

Policiais conduzem o falso médico ao Plantão  Foto: www.notíciasnoroeste.com.br

A prisão ocorreu no início da noite desta sexta-feira, 27, após colaboradores da instituição de saúde terem levantado suspeitas devido à atuação do acusado em um plantão realizado há cerca de 15 dias. 

Uma investigação realizada pela direção da entidade constatou que Menezes não possui Certificando de Registro Médico - CRM - e, portanto, não é médico. Ele teria cursado Enfermagem até o sexto semestre somente. Menezes usou documentos de um outro médico, substituindo apenas a foto, para conseguir o emprego de plantonista. O nome do verdadeiro médico não foi revelado.

O acusado foi autuado em flagrante pelo delegado plantonista Rafael Buosi, por crime de tentativa de estelionato e falsidade ideológica, sendo encaminhado posteriormente ao Presídio de Paulo de Faria.


MORRE GERALDO CÂNDIDO, VOLUNTÁRIO DA SANTA CASA E MORADOR DE OUROESTE

Agropecuarista é de uma das famílias mais tradicionais de Ouroeste, local onde deve ser o velório e sepultamento

Faleceu o agropecuarista Geraldo Cândido, 89 anos, neste domingo, 22.

A confirmação da morte veio através de comunicado oficial emitido pela Santa Casa de Fernandópolis, instituição da qual era voluntário e colaborador.Geraldo faz parte da tradicional família ouroestense "Cândido", uma das mais tradicionais e antigas da cidade, do ramo empresarial rural e que já rendeu prefeitos e vereadores ao município. 

Ele também era um dos principais incentivadores da tradicional Festa de Reis.

O velório está sendo em Ouroeste e o sepultamento está programado para amanhã, 23, às 10h00, no cemitério de Indiaporã. 

Confira, abaixo, a Nota da Santa Casa:

NOTA DE PESAR
É com tristeza que recebemos a notícia do falecimento da Sr. Geraldo Cândido, morador de Ouroeste, voluntário e grande apoiador da Santa Casa.

Toda a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Fernandópolis vem, por meio deste, prestar condolências à família e amigos. Que por intermédio de Nossa Senhora da Misericórdia, Deus possa confortar a todos neste momento.

Que Deus a todos ilumine e guarde!

FERNANDO CORDEIRO ZANQUI

Provedor


CATELANI, EMPRESÁRIO FERNANDOPOLENSE, ESTÁ PRESO EM GOIÁS

Prisão é por crime tributário e Justiça tenta a transferência para cumprimento da pena no Estado de SP

Desde a semana passada, quando foi intimado para participar de uma audiência na Justiça goiana, no município de Minaçu, norte do Estado, o empresário fernandopolense Antonio Carlos Catelani está preso. 


O empresário fernandopolense já atuou na Plastic Tac, Água Viva e WTW. Foto: Reprodução/Redes Sociais

O Mandado de Prisão foi expedido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, sendo que a pena aplicada é de 3 anos, 4 meses e 15 dias em regime semi-aberto, decorrente de crime contra a ordem tributária. 

A reportagem deste diário não conseguiu obter, oficialmente, a data em que ocorreu a privação de liberdade do empresário. Sabe-se que ocorreu na semana passada, provavelmente na quinta-feira, 12.

RECAMBIAMENTO
Com transferência estipulada pela Justiça para cumprir a pena deste e, eventualmente, de outros processos, em território paulista, a defesa jurídica de Catelani está tentando impedir o recambiamento alegando que ele "...está acometido de doenças degenerativas e tem orientação médica para não permanecer sentado por longo período", o que, segundo seus advogados, impediria a viagem.

Uma decisão datada da última segunda-feira, 16, da 2ª Vara Criminal de Fernandópolis determinou a realização do recambiamento.


STJ CONCEDE LIMINAR QUE LIBERA DONO DA UNIVERSIDADE BRASIL

José Fernando da Costa responderá o processo em liberdade


José Fernando Pinto da Costa: beneficiado com decisão do Superior Tribunal de Justiça. Foto: Reprodução/Facebook

O Superior Tribunal de Justiça-STJ concedeu há pouco, uma medida liminar que beneficiará o dono a Universidade Brasil José Fernando Pinto da Costa.

Com a medida desta quinta-feira, 26, o empresário, acusado de diversas fraudes no curso de medicina no campi de Fernandópolis, deve ser colocado em liberdade nas próxima horas e responderá o restante do processo em liberdade, salvo nova medida restritiva imposta judicialmente.

 A concessão foi confirmada pelo seu advogado Eduardo Vilhema. A defesa de José Fernando já tinha pedido um Habeas Corpus, mas o pedido tinha sido negado no dia 18 de setembro. Um novo pedido foi feito e o ministro Sebastião Reis decidiu pela liberação do reitor. Porém, segundo a decisão, o reitor está proibido de entrar em contato com funcionários da Universidade ou alunos.

Costa, 63 anos, estava preso desde o dia 03 de Setembro, quando foi desencadeada a Operação Vagatomia, que apura fraudes no Fies, ProUni e transferências de universitários do exterior, principalmente do Paraguai e Bolívia, para o Brasil. Outras 21 pessoas também são acusadas de causarem prejuízos de mais de R$ 500 milhões. Clique aqui para maiores detalhes: http://oextra.net/17113/pf-prende-dono-da-universidade-brasil-e-outras-20-pessoas-por-desvio-de-verba-no-fies 

Nesta quarta-feira, a Justiça já tinha convertido em domiciliar a prisão de uma médica, de 43 anos, suspeita de tentar atrapalhar as investigações da operação Vagatomia, da Polícia Federal. Clique aqui para maiores informações: http://oextra.net/17572/justica-concede-prisao-domiciliar-para-medica-investigada-na-operacao-vagatomia


ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRASIL AFIRMAM NO MPF QUE ESTÃO PAGANDO SEM ESTUDAR

No final do depoimento os alunos solicitam a intervenção do MPF para que possam regularizar a situação acadêmica, a fim de não perderem o semestre letivo.

Um grupo de 20 estudantes da Universidade Brasil, de Fernandópolis, investigada na Operação Vagatomia, da Polícia Federal, esteve no Ministério Público Federal em Jales, na última, quinta-feira, 19, representando um grupo maior que segundo eles estão pagando sem estudar, mesmo tendo sido aprovados no processo seletivo. Os alunos distribuíram uma nota, explicando a situação, antes de dois representantes da turma serem recebidos no MPF.

Depois da audiência, eles assinaram cópia da representação onde relatam que no dia 20 de julho de 2019 foi realizado processo seletivo de transferência perante a Universidade Brasil, campus de Fernandópolis, com 205 vagas ofertadas. Afirmam que foram aprovados e realizaram a matrícula no dia 14 de agosto de 2019. Explicaram que na ocasião foram gerados quatro boletos, sendo três pagos logo na sequência e o último ficou para vencimento em setembro que também já foi quitado.

Cada boleto foi fixado em R$ 9.095,00, referente ao valor da matrícula, da análise curricular e da mensalidade de agosto que com desconto ficou em R$ 8.185,50, além da mensalidade de setembro, no mesmo valor.

Na representação, os alunos afirmam que apesar de terem cumprido todas as obrigações administrativas exigidas, com a entrega de todos os documentos, até aquele momento não tiveram acesso às salas de aula, pois não obtiveram a matrícula orientada que é uma exigência para todos os alunos que vieram de outras instituições de ensino, principalmente do exterior. 

Eles explicam que por meio da matrícula orientada é realizada a análise curricular que determina em qual período o aluno pode ingressar. Os estudantes dizem ainda ter conhecimento que diversos alunos que foram classificados após o número de vagas já obtiveram a matrícula orientada e começaram a estudar, “até mesmo aqueles que não fizeram a matrícula e nem passaram pela análise curricular, criando uma Turma Especial do SUS”. 

Diz ainda o depoimento que a escolha dos alunos tem sido realizada de forma aleatória, sem qualquer critério estabelecido e de conhecimento dos discentes. Nesta mesma situação ainda estão outros 79 alunos, dos quais 20 compareceram ao MPF junto com uma representante para que fosse efetuado o registro desses fatos.

Os alunos relatam ainda que por diversas vezes a direção da faculdade foi procurada e seus integrantes justificaram que a situação não está sendo resolvida em razão da atuação da Polícia Federal, do MEC e do Ministério Público Federal e também porque a universidade encontra-se sem reitor, argumento com o qual dizem não concordar.

No final do depoimento os alunos solicitam a intervenção do MPF para que possam regularizar a situação acadêmica, a fim de não perderem o semestre letivo.

HABEAS CORPUS NEGADO
O Serviço de Comunicação da Polícia Federal de Jales informou que no dia 18 de setembro, quarta-feira, o Superior Tribunal de Justiça negou pedido de habeas corpus impetrado pela defesa de José Fernando Pinto da Costa, dono da Universidade Brasil, de Fernandópolis, investigada na Operação Vagatomia.

A PF informou ainda que o dono da faculdade e outras 11 pessoas continuavam presas em cumprimento a mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça Federal de Jales.

Fonte: http://jornaldejales.com.br 


FERNANDOPOLENSE MORRE EM ACIDENTE ENTRE MACEDÔNIA E MIRA ESTRELA

A rodovia ficou parcialmente interditada até a retirada do veículo que ficou sobre a pista.


Vitor Hugo Garcia dos Reis, 19 anos, morador de Fernandópolis, morreu na noite deste domingo, 29. Após perder o controle da direção do veículo Chevrolet/Agile, o jovem bateu em um barranco e capotou o veículo várias vezes. O fato aconteceu na rodovia Cândido Brasil Estrela, vicinal que liga Macedônia a Mira Estrela, na região de Fernandópolis.

O jovem ficou preso nas ferragens e precisou da intervenção do corpo de bombeiros para ser retirado.

Vitor Hugo Garcia dos Reis, era filho de Luciano Reis e Cassandra Garcia proprietários da loja Amor Amor em Fernandópolis.

A rodovia ficou parcialmente interditada até a retirada do veículo que ficou sobre a pista.

últimas