VACINA

Região receberá 20 mil doses da vacina pentavalente, diz Estado

Região receberá 20 mil doses da vacina pentavalente, diz Estado

A vacina está em falta em diversas cidades da região

A vacina está em falta em diversas cidades da região

Publicada há 6 meses

Da Redação

A região de Rio Preto vai receber 20 mil doses da vacina pentavalente até a próxima semana, garantiu nesta quinta-feira, 9, a Secretaria de Estado da Saúde. A vacina está em falta em diversas cidades da região, como Rio Preto e Votuporanga.

Esse desabastecimento tem sido recorrente. A pentavalente é eficaz contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B, meningite e infecções bacterianas que começam na garganta, mas podem se espalhar para outras partes do organismo. As doses devem ser administradas em bebês aos dois, quatro e seis meses de vida.

Pela região, os postos de saúde estão fazendo a listagem dos pais que procuram as unidades para proteger os filhos e não encontram as doses - quando elas chegarem, os profissionais entrarão em contato.

Em nota nesta terça-feira, 7, a Secretaria de Saúde de Rio Preto informou que a previsão é que o recebimento das novas doses seja nesta semana. "Assim que liberadas, a Secretaria iniciará os procedimentos logísticos para distribuí-las às unidades básicas de saúde", garantiu a pasta no texto.

A responsabilidade pela aquisição da pentavalente, bem como de outras vacinas que fazem parte do calendário nacional, é do Ministério da Saúde. A reportagem entrou em contato com a pasta, mas não obteve retorno.

Conforme texto publicado no site do Ministério da Saúde, a distribuição de 1,7 milhão de doses aos Estados começou nesta quinta-feira, 9. Ainda conforme o texto, de junho a dezembro do ano passado a oferta foi irregular por causa de problemas com fornecedores.

O Brasil compra a vacina por meio do Fundo Estratégico da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), pois não existe laboratório produtor no País. Em julho de 2019, lotes do laboratório pré-qualificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) foram reprovados no teste de qualidade do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde e em análise da Anvisa. Em agosto, o Ministério da Saúde solicitou reposição do produto, mas, naquele momento, não havia disponibilidade imediata no mercado.

Conforme a Secretaria de Estado da Saúde, foi recebido um novo quantitativo, que será distribuído aos municípios. "A pasta segue em contato com o governo federal visando o reabastecimento integral. Tão logo ocorram novas entregas, haverá redistribuição no território", afirmou a Secretaria.


Fonte: Diário da Região

últimas