LUTO

Com a morte de Mazinho o judô paulista perde uma de suas principais lideranças

Com a morte de Mazinho o judô paulista perde uma de suas principais lideranças

Mazinho morreu na manhã de sábado, 11, vítima de infarto

Mazinho morreu na manhã de sábado, 11, vítima de infarto

Publicada há 1 mês

Da Redação

Popularmente conhecido como sensei Mazinho, o professor kodansha shichi-dan (7º dan)Osmar Aparecido Feltrim morreu na manhã deste sábado, 11, vítima de infarto. Reconhecido pelo importante trabalho à frente da Associação de Judô de Fernandópolis nos últimos 40 anos e por sua atuação determinante à frente da 6ª DRJ Araraquarense, destacava-se principalmente pela liderança natural que exercia no grupo de delegados regionais que decidem verdadeiramente os destinos do judô bandeirante.

Pragmático, sincero e extremamente humilde, estes eram apenas alguns dos predicados de um homem de pouquíssimas palavras que, além de muito respeitado, era querido por todos que o conheciam.

FPJudô lamenta perda de um grande líder

Convidado para assumir a 6ª DRJ Araraquarense em 1995 pelo então presidente Francisco de Carvalho Filho, Osmar Aparecido exerceu sua função com maestria e em poucos anos ganhou enorme projeção entre os delegados regionais.

Bastante impactado pela perda do amigo com quem dividiu a gestão da entidade nos últimos 30 anos, Francisco de Carvalho Filho falou sobre o colega dirigente.

“O Mazinho era uma pessoa de extrema confiança e um dos nossos maiores aliados dentro da Federação Paulista de Judô. Mas não é apenas o judô que perde com seu falecimento. A sociedade paulista como um todo perde um de seus filhos mais humildes e queridos. Perdemos um grande professor de judô e uma das pessoas mais honestas e despojadas que atuavam em nosso cenário”, lamentou Chico do Judô.

“Mazinho era sinônimo de bom caráter, exemplo de conduta e retidão. Sua morte representa uma perda irreparável para a gestão da FPJudô e para os destinos da 6ª DRJ Araraquarense. Perdemos um grande amigo, um abnegado pelo judô e um gestor que olhava para sua delegacia e região como uma extensão de sua própria família. As palavras que definem o que sinto por ele são saudade e gratidão”, acrescentou Francisco de Carvalho.

Alessandro Panitz Puglia, presidente da FPJudô, destacou a importância do legado deixado pelo professor kodansha shichi-dan de Fernandópolis.

“Falar do professor Mazinho é falar da história da FPJudô. Lembro-me de que ele era técnico da equipe feminina de Fernandópolis, a primeira que disputou os Jogos Abertos de São Paulo. Posteriormente, já como delegado regional, vestiu a camisa com enorme determinação. Sem dúvida alguma o sensei Osmar deixa um legado gigantesco em toda a Araraquarense. Sua morte sensibilizou toda a comunidade do judô paulista, por tudo aquilo que fez e, acima de tudo, pelo exemplo de abnegação e fidelidade aos princípios criados pelo professor Kano e pelos ideais políticos que formam a base de nossa entidade”, enfatizou o presidente da federação paulista.

Na avaliação de Raul de Melo Senra Bisneto, delegado da 4ª DRJ Alta Paulista, além de ter sido um amigo, Osmar Feltrim foi um grande líder e uma importante referência para o judô paulista.

“Mazinho era uma pessoa ímpar, de uma humildade imensa e que só agregava coisas boas. Fomentava a união do grupo das cinco DRJs do interior que formam o bloco central da gestão interiorana, e capitaneava naturalmente todas as iniciativas de forma extremamente simples. Hoje toda a região composta pela Araraquarense, Alta Paulista, Centro-Sul, Sorocabana e Noroeste está de luto por ter perdido uma grande liderança e também o seu porta-voz”, disse o dirigente da Alta Paulista.

Na avaliação de Raul Senra, o professor Mazinho era uma unanimidade devido a sua simplicidade, honestidade e conduta ímpar.

“Não dá para explicar de que forma ele se tornou a voz do bloco central do interior paulista. Sempre transmitiu sinceridade e idoneidade absolutas, mas a sua principal virtude na gestão era a fidelidade. Ele sempre endossou as determinações da diretoria da federação paulista. Sempre foi o fiel escudeiro da diretoria de nossa entidade, e todos nós seguíamos suas decisões. Sofremos uma perda descomunal e ele vai fazer muita falta para todos nós”, lamentou o delegado da 4ª DRJ Alta Paulista.

Amigo e grande admirador do professor Mazinho, José Antônio Jantália, vice-presidente da FPJudô, destacou a abnegação e a dedicação do colega fernandopolense.

“Conheci o professor Osmar Aparecido Feltrim quando fui à Associação de Judô Fernandópolis em 1989, e ele estava dando aula no dojô. De lá para cá acompanhei a atuação fantástica que realizava à frente da 6ª DRJ Araraquarense. Ele sempre foi um professor abnegado e depois um dirigente dedicado ao desenvolvimento da modalidade, percorrendo sempre distâncias enormes dentro da região de sua delegacia ou indo à capital. Sempre acompanhou as reuniões da diretoria, endossando as determinações que partiram da direção da entidade. Indubitavelmente ele é merecedor de todas as homenagens e honras por seu altruísmo e por sua luta incansável pelo judô do Estado de São Paulo. Fica uma saudade muito grande da simplicidade e dedicação desse excelente amigo”, pontuou o vice-presidente da FPJudô.

Luto oficial

Nascido em 30 de maio de 1952 em Fernandópolis (SP), ainda jovem o professor Mazinho deu os primeiros passos no dojô do sensei Edison Viollin. Em 1986 obteve a faixa preta e em 2018 conquistou o shichi-dan (7º dan). Em 1995 assumiu o comando da 6ª DRJ Araraquarense e realizou uma das gestões mais emblemáticas do interior paulista.

Aos 67 anos, sensei Mazinho era conhecido por seu estilo peculiar e pelo grande trabalho desenvolvido em prol no judô fernandopolense e de toda a Araraquarense.

Após o passamento do sensei Osmar Aparecido Feltrin, o prefeito de Fernandópolis, André Pessuto, decretou luto oficial de três dias.

“O professor Osmar Aparecido Feltrin foi um grande atleta, professor e árbitro, que por muitos anos representou Fernandópolis com extrema dignidade em campeonatos e torneios por todo o Brasil.Trouxe, ao lado de seus alunos, centenas de medalhas e troféus para a nossa cidade. Neste momento triste fica o nosso carinho e respeito por este idealista; transmitimos nossos sinceros sentimentos aos familiares e amigos”, externou o prefeito de Fernandópolis.

O professor Osmar Aparecido Feltrin deixa a viúva Vera Eunice de Almeida Feltrim, os filhos Ana Paula de Almeida Feltrim e Fábio de Almeida Feltrim, a nora Giovanna Simioli e os netos Mateus, Davi e Ana Laura.


Fonte: Federação Paulista de Judô

últimas