DESDOBRAMENTO

Polícia Civil divulga nota sobre Operação Hígia

Polícia Civil divulga nota sobre Operação Hígia

As investigações tiveram início em abril de 2018, após uma denuncia formal do vereador Murilo Jacob

As investigações tiveram início em abril de 2018, após uma denuncia formal do vereador Murilo Jacob

Publicada há 1 mês

Da Redação

Em nota divulgada há instantes, a Polícia Civil de Fernandópolis fez um resumo da Operação Hígia, deflagrada na manhã desta segunda-feira, 17, em Fernandópolis.

As investigações tiveram início em abril de 2018, após uma denuncia formal do vereador Murilo Jacob. Essa operação de hoje é um desdobramento da Operação “Assepsia” realizada em julho de 2019, quando foram realizadas buscas nas sedes da Santa Casa e empresas investigadas, todas de Fernandópolis. 

Durante as investigações, a Polícia Civil identificou indícios de fraudes em processos licitatórios para aquisição de insumos e outros serviços, caracterizando uma organização criminosa que atuava na administração do AME e Lucy Montoro.

Inicialmente nove pessoas foram presas, além da apreensão de documentos, principalmente no AME e Lucy Montoro. Vários conselheiros da Santa Casa de Misericórdia de Fernandópolis também foram presos temporariamente, por se omitiram de forma dolosa diante dos desmandos praticados pela organização enquanto estava no comando do hospital.

Durante a operação, três pessoas consideradas fugitivas, acabaram se apresentando com seus advogados, sendo presos e encaminhados, juntamente com os demais, para a Cadeia Pública de Guarani d´Oeste. 

Os investigados serão indiciados por peculato, fraude em licitações, falsidade ideológica, homicídio doloso, aborto e organização criminosa.

O homicídio e o abordo estão ligados à negligência no atendimento de uma gestante que morava em Macedônia.

últimas