RECUPERAÇÃO

Menino que recebeu coração em transplante sai da UTI e vai para quarto em hospital

Menino que recebeu coração em transplante sai da UTI e vai para quarto em hospital

Miguel de Carvalho Viera foi submetido ao procedimento no HCM de São José do Rio Preto

Miguel de Carvalho Viera foi submetido ao procedimento no HCM de São José do Rio Preto

Publicada há 1 mês

Miguel se recupera bem depois de transplante de coração em Rio Preto — Foto: Arquivo Pessoal



Da Redação

O pequeno Miguel de Carvalho Viera, de 5 anos, que foi submetido a um transplante de coração, em São José do Rio Preto (SP), saiu da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e continuará o processo de recuperação em um quarto do Hospital da Criança e da Maternidade (HCM).

A cirurgia foi realizada no dia 31 de janeiro. Miguel tinha sido diagnosticado com taquicardiomiopatia, uma disfunção do coração secundária à arritmia, que faz com que o órgão perca a força de contração e aumente de tamanho.

Taís afirma que o filho está se recuperando bem da cirurgia e que não sofreu nenhuma complicação. Contudo, ele ainda não tem previsão de alta hospitalar.

“O Miguel já está brincando e andando pelo hospital. A alimentação dele também mudou, mas ele ainda está comendo somente os alimentos feitos pelo próprio hospital para não correr riscos de pegar alguma infecção”, diz a mãe.

Na época em que o transplante foi realizado, Taís contou que uma das maiores vontades do filho era comer um pedaço de pizza, algo que ele precisou parar de fazer por causa da doença.

"O pedaço de pizza realmente vai ter que ficar para quando ele sair do hospital. Então, estamos esperando ansiosamente a alta hospitalar", afirma a mãe.

Diagnostico e transplante

Miguel foi diagnosticado com taquicardiomiopatia depois de começar a sentir sintomas de uma gripe e passar por exames solicitados por uma médica.

“Ela pensou que fosse pneumonia, mas descobrimos que o coração dele estava maior do que o normal. Levamos um susto porque não conhecíamos a doença”, afirma Taís.

Como o caso era bem grave e não tinha tratamento, o menino precisou ficar internado cerca de quatro meses aguardando na fila de espera para receber um coração que fosse compatível com o dele.

“Chegamos a pensar que ele não aguentaria. Às vezes, ele passava muito mal, além de precisar ficar sem comer certos alimentos e até a andar”, relembra a mãe.

O órgão que o Miguel precisava veio de outro estado e foi doado por uma criança de 9 anos. Médicos do HCM viajaram até Itajaí (SC), cidade localizada a 900 quilômetros de distância, para trazê-lo a Rio Preto.

Como o período entre a retirada do coração e do transplante deve ser de no máximo quatro horas, um helicóptero e um jato foram mobilizados.

“Nós ficamos muito felizes. Queremos agradecer muito a família da outra criança, que em um momento de dor, decidiu de doar os órgãos. Eles salvaram não só o Miguel, mas outras crianças também”, diz Taís.

O transplante durou cerca quatro horas e foi considerado um sucesso por Ulisses Croti, cirurgião cardíaco e chefe do Serviço de Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular Pediátrica do HCM.

Este foi o sexto transplante de coração desde a inauguração do hospital, ocorrida em 2013. Ele também foi o oitavo procedimento em criança na história do complexo Fundação Faculdade Regional de Medicina de Rio Preto (Funfarme), já que o Hospital de Base havia realizado dois antes de 2013.


Fonte: G1

últimas