EDUCAÇÃO

Alunos não colam grau e escrevem mais uma carta de repúdio à Universidade Brasil

Alunos não colam grau e escrevem mais uma carta de repúdio à Universidade Brasil

Instituição afirma que discentes precisam cursar mais um semestre

Instituição afirma que discentes precisam cursar mais um semestre

Publicada há 2 meses

Da Redação

Alunos do curso de Medicina da Universidade Brasil publicaram mais uma Carta de Repúdio contra a instituição. Dessa vez o problema está relacionado à colação de grau que, de acordo com o documento, deveria ser realizada em 18 de janeiro. A universidade teria sustentado que a turma precisa realizar mais 6 meses de curso.

Confira o conteúdo da carta na íntegra:

CARTA DE REPÚDIO

À REITORIA DA UNIVERSIDADE BRASIL

AO COORDENADOR DO CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE BRASIL

Vimos por meio desta, divulgar nosso repúdio, com veemência, frente todas as dificuldades impostas pela Universidade Brasil em realizar a colação de grau da turma 14-2 do curso de Medicina do campus de Fernandópolis, que concluiu a graduação na integra, cumprindo o cronograma acadêmico disponibilizado pela instituição de ensino supracitado no dia 04/01/2020 e que deveria colar grau no dia 18/01/2020, o que de fato não aconteceu. O cronograma contemplava todas as disciplinas e a carga horária da Matriz Curricular de 2015, na qual a turma foi inserida. 

A colação de grau da nossa turma foi agendada para o dia 18/01/2020, porém, ao chegarmos na Universidade, recebemos a informação na Secretaria Geral de que nossa colação de grau não seria realizada naquela data e que seriamos informados posteriormente. A Universidade sem qualquer justificativa plausível, tem sustentado que nossa turma precisa realizar mais 6 meses de curso, mas até hoje não forneceu um cronograma com as supostas disciplinas que faltam cursar. 

Afirmamos através desta carta que já concluímos todas as disciplinas que constam na Matriz Curricular de 2015 e que seguimos o cronograma determinado pela Coordenação do curso de Medicina. Devido tal conduta da Universidade, levamos a questão para o Poder Judiciário e aguardamos uma decisão judicial para que sejam respeitados os nossos direitos, porém a justiça é lenta e nós estamos nessa luta desde Dezembro e a Universidade não tem respaldado os seus alunos, não apresenta justificativas plausíveis para solução dessa situação. Inclusive, foram mais de dois meses para que a Universidade pudesse cumprir decisão judicial que determinou a entrega de documentação relativa ao 6º ano do curso, uma vez que nem nossas notas tinham sido disponibilizadas. Hoje, temos provas claras de que todos foram aprovados e cumpriram integralmente a carga horária e a Matriz Curricular do curso de Medicina.

No atual momento estamos enfrentando a pandemia do Coronavírus/COVID-19 que tem gerado grande pânico na população mundial pelos altos índices de contágio.

Nesse momento os profissionais de saúde são a linha de frente no combate, proteção, cuidado e tratamento dos pacientes acometidos. Diante desses acontecimentos, estamos tomados por revolta e indignação, pois mesmo após termos concluído o curso de Medicina, somos impedidos pela Universidade de iniciar nossa trajetória profissional e desta forma, estamos impedidos de contribuir com a sociedade e com o SUS no combate a esse vírus. 

Vários Estados já decretaram situação de emergência e a previsão para os próximos meses não são favoráveis. A Diretoria Geral de Saúde diz “que existe um plano de contingência, porém assume que faltam médicos”. Vários portais de noticias têm divulgado que o Ministério da Saúde vai convocar médicos cubanos para trabalhar na pandemia do novo Coronavírus. Segundo a Folha de São Paulo “o 20º dia de Coronavírus no Brasil é pior que o da Itália”. Segundo o site G1 – Globo “a Itália, diante o caos que está vivenciando, antecipou a formação de 10 mil alunos de medicina que estavam no último ano para ajudarem na assistência em plena pandemia”. Diante deste contexto, solicitamos que a Universidade respeite nossos direitos, colando nosso grau e assim exerça sua responsabilidade social.

Ressaltam-se os inúmeros danos sofridos pela turma., Perdemos a oportunidade de iniciar a residência médica, pós-graduação que torna o médico especialista e melhor preparado para atender a população como um todo. Sabe-se o quanto é difícil passar na residência e a maioria conseguiu aprovação, muitos em 1º lugar, porem não foi possível assumir as vagas em função de pender a colação de grau.

A própria Universidade Brasil divulga, em seu site, que está contribuindo para combater o COVID-19. No entanto, refutamos esta afirmação, já que concluímos o curso com êxito, e ainda não colamos grau, razão pela qual estamos impedidos de atuar no combate a esta pandemia.

Poderíamos, especificamente, atender nas Unidades Básicas de Saúde ou mesmo trabalhando em plantões médicos, fazendo a diferença nesse cenário de saúde tão preocupante.

Todos nós precisamos trabalhar, pois precisamos sustentar nossas famílias, além de os recursos estarem se esgotando.

Por fim, solicitamos que a justiça seja feita e que nossos diretos sejam exercidos para amenizar os danos, que já são muitos.

À Universidade Brasil:

Solicitamos que a Universidade reveja a postura adotada frente a esta situação e realize a nossa colação de grau imediatamente.


Att. Alunos da Turma 14.2 de Medicina da Universidade Brasil – Campus Fernandópolis.

últimas