Crônica: Quando a gente vai embora

Crônica: Quando a gente vai embora

De repente, cientistas e líderes de todo o mundo se encontram diante de um vírus que não conseguem explicar, que não conseguem deter

De repente, cientistas e líderes de todo o mundo se encontram diante de um vírus que não conseguem explicar, que não conseguem deter

Publicada há 1 semana

MINUTINHO

Quando a gente vai embora

Por Araken

Os poderosos da Terra se veem diante de algo que não conseguem controlar.

De nada adianta impor barreiras físicas a algo que passa despercebido aos olhos.

De repente, cientistas e líderes de todo o mundo se encontram diante de um vírus que não conseguem explicar, que não conseguem deter.

Aos olhos invisíveis dos irmãos da luz, desnuda-se espetáculo de rara beleza, modificando o cenário mundial, diminuindo as desavenças entre os povos, fazendo com que os homens se voltem para seus lares, num hábito há muito tempo abandonado pela sociedade moderna.

Para além do medo da morte, há a maravilhosa experiência de renovação espiritual.

As desencarnações em massa fazem parte do panorama atual do globo terrestre. Sejam por causas biológicas ou por desastres naturais, o momento é de mudança.

Isso inclui a forma de pensar, a maneira como o homem se comporta com o próximo, com a natureza, com tudo que o rodeia.

Todos os que estão sendo afetados, direta ou indiretamente por esse vírus, recebem a oportunidade de mudar. Sejam os hábitos de vida, os conceitos acerca da existência terrena, e até mesmo sobre a bondade e a prevalência da vontade de Deus sobre todas as coisas.

A Terra passa, enfim, pelo momento de mudança de padrão vibratório para entrar na Era da Regeneração. Todos os espíritos ligados ao seu orbe, sejam encarnados ou desencarnados, estão passando por mudanças significativas para se adaptarem ao novo padrão vibracional.

Tenhamos fé e coragem para enfrentar esses tempos desafiadores, certos de que tudo acontece para o progresso e para o bem da humanidade.

Muita paz.


CRÔNICA

Acreditar e agir

Por Meimei

Um viajante caminhava pelas margens de um grande lago de águas cristalinas e imaginava uma forma de chegar até o outro lado, onde era seu destino. Suspirou profundamente enquanto tentava fixar o olhar no horizonte. A voz de um homem de cabelos brancos quebrou o silêncio momentâneo, oferecendo-se para transportá-lo. Era um barqueiro. O pequeno barco envelhecido, no qual a travessia seria realizada, era provido de dois remos de madeira de carvalho.

O viajante olhou detidamente e percebeu o que pareciam ser letras em cada remo. Ao colocar os pés empoeirados dentro do barco, observou que eram mesmo duas palavras. Num dos remos estava entalhada a palavra acreditar e no outro, agir. Não podendo conter a curiosidade, perguntou a razão daqueles nomes originais dados aos remos.

O barqueiro pegou o remo, no qual estava escrito “acreditar”, e remou com toda força. O barco, então, começou a dar voltas, sem sair do lugar em que estava. Em seguida, pegou o remo em que estava escrito “agir” e remou com todo vigor. Novamente o barco girou em sentido oposto, sem ir adiante. Finalmente, o velho barqueiro, segurando os dois remos, movimentou-os ao mesmo tempo e o barco, impulsionado por ambos os lados, navegou através das águas do lago, chegando calmamente à outra margem. Então, o barqueiro disse ao viajante:

- Este barco pode ser chamado de autoconfiança. E a margem é a meta que desejamos atingir. Para que o barco da autoconfiança navegue seguro e alcance a meta pretendida, é preciso que utilizemos os dois remos, ao mesmo tempo, e com a mesma intensidade: agir e acreditar. Não basta apenas acreditar, senão o barco ficará rodando em círculos. É preciso também agir, para movimentá-lo na direção que nos levará a alcançar a nossa meta. Agir e acreditar. Impulsionar os remos com força e com vontade, superando as ondas e os vendavais e não esquecer que, por vezes, é preciso remar contra a maré.



últimas