PROJEÇÃO

Fechamento do curso de Medicina pode diminuir PIB local em até 20%

Fechamento do curso de Medicina pode diminuir PIB local em até 20%

Estimativas apontam para R$ 360 milhões anuais de divisas que deixariam de girar na economia local

Estimativas apontam para R$ 360 milhões anuais de divisas que deixariam de girar na economia local

Publicada há 1 mês

Comércio local pode ser o grande afetado com o fechamento da Universidade Brasil

Gustavo Jesus

O Ministério da Educação, em Portaria publicada terça-feira, 31, no Diário Oficial da União, determinou o fechamento do curso de Medicina da Universidade Brasil. A decisão foi baseada nos desdobramentos da Operação Vagatomia, que apura fraudes financeiras da instituição, utilizando-se principalmente do FIES.

De acordo com o MEC, a universidade tem 30 dias para apresentar recurso. Em nota, a instituição de ensino disse que tomará as medidas legais para a manutenção do curso.

"Assim, reiteramos ao nosso corpo docente, discente e demais colaboradores que todas as medidas legais estão sendo tomadas para equacionar esse quadro, ao tempo em que reafirmamos o compromisso de prover e controlar os processos estudantis em andamento, de modo a não gerar prejuízo a nenhum estudante enquanto perdurar a decisão do MEC".

A decisão do ministério garantiu a continuidade do curso para os alunos que não conseguirem transferência para outras universidades.

Professores da universidade também se pronunciaram, reafirmando o compromisso com o curso e a qualidade de ensino da instituição.

"Formado por professores capacitados, especialistas, mestres e doutores, engajados com o ensino e a formação em saúde, sobretudo médica, realizamos um trabalho de amplo cuidado na formação dos estudantes de medicina desde o seu ingresso na Universidade, desenvolvendo atividades teóricas, mas também e, sobretudo, práticas, discutindo a realidade a luz da ciência, buscando fomentar o conhecimento humanizado e o desenvolvimento de competências, habilidades e atitudes".

Levantamento prévio realizado pela coluna Entre Linhas, logo as denúncias da Vagatomia surgiram, apontavam para prejuízo de R$ 15 milhões mensais na economia de Fernandópolis com a retirada de 1,3 mil alunos excedentes. O fechamento do curso pode dobrar esse número, já que eram disponibilizadas 2.460 vagas.

O Produto Interno Bruto de Fernandópolis, de acordo com o último cálculo feito pelo IBGE - em 2017 -, foi de R$ 1,9 bilhão. Projetando o crescimento do município até os dias de hoje, o PIB fernandopolense bate os R$ 2 bilhões.

As divisas perdidas anualmente com o fechamento do curso - estimadas em R$ 360 milhões anuais -, podem retirar praticamente um quinto das riquezas geradas no município. Isso significa a economia do município voltar ao patamar de 2014.

últimas