VACINAÇÃO

Municípios devem vacinar mais de 15 milhões de pessoas contra gripe

Municípios devem vacinar mais de 15 milhões de pessoas contra gripe

A Secretaria de Saúde do Estado de SP iniciou a Campanha de vacinação contra gripe com estratégias para evitar aglomerações e prevenir a população contra a Covid-19

A Secretaria de Saúde do Estado de SP iniciou a Campanha de vacinação contra gripe com estratégias para evitar aglomerações e prevenir a população contra a Covid-19

Publicada há 1 mês

Da Redação

A Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo iniciou a Campanha Nacional contra a Gripe com estratégias diferenciadas para evitar aglomerações e prevenir a população contra a Covid-19.

Até o momento, são cerca de 11,5 mil pontos fixos e volantes de vacinação, incluindo escolas, creches, farmácias, barcos, ônibus e veículos, de forma a alcançar o público-alvo no estado.

A Divisão de Imunização orientou todas as regiões e cidades quanto à dinâmica de atendimento especial. Serão priorizados os idosos com mais de 80 anos e haverá triagem diferenciada.

A expectativa é imunizar 90% da população-alvo de 15,4 milhões de moradores da capital contra o vírus Influenza durante toda a campanha. São 645 municípios, incluindo a capital paulista, como ressalta o secretário Estadual de Saúde, José Henrique Germann.

”Depois, virão os demais segmentos que devem ser vacinados, para que a gente atinja um percentual de vacinação extremamente importante numa cobertura, acima de 90%.”

O início da imunização foi antecipado com apoio do Instituto Butantan, que acelerou a produção das 75 milhões de doses da vacina que serão utilizadas até o dia 22 de maio. Esta é a maior campanha da história no Brasil, com ampliação de 13% em comparação ao ano passado, como afirma Dimas Covas, diretor do Butantan.

"O Butantan, este ano, está entregando ao ministério 75 milhões de doses. Isso é absolutamente um recorde, essa é a maior vacinação contra a gripe, do mundo.”

Neste ano, a ação ocorrerá em três etapas definidas pelo Ministério da Saúde, responsável por encaminhar as doses aos Estados. A primeira etapa vai até o dia 15 de abril é voltada às pessoas com sessenta anos de idade ou mais e trabalhadores da saúde, totalizando 6,1 milhões de cidadãos nesta fase, como afirma a diretora do Programa de Imunização de São Paulo, Núbia Araújo.

“A campanha irá se estender por três semanas e meia, temos quase um mês inteiro para alcançar os seis milhões de idosos e profissionais de saúde.”

A partir do dia 16 de abril serão vacinados membros que trabalham nas forças de segurança e salvamento, pacientes com doenças crônicas, como asma e diabetes, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas  e população privada de liberdade  além dos novos grupos: caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuários.

No dia 9 de maio começa a terceira etapa, que será para professores, gestantes, mães com até 45 dias após o parto, crianças a partir de seis meses e menores de seis anos, indígenas e demais grupos prioritários, inclusive dois novos públicos inseridos a partir deste ano: os adultos de 55 a 59 anos e as pessoas com deficiência (física, auditiva, visual, intelectual, mental ou múltipla). Na data de início da última etapa também está previsto o “Dia D” de Mobilização Nacional, quando os postos deverão funcionar no sábado, das 8h às 17h.

A orientação aos profissionais que trabalham na campanha é para que haja organização da fila e do ambiente. Deverá ser feita uma triagem da pessoa que apresentar febre, tosse, coriza e falta de ar.

Máscaras também deverão ser colocadas naqueles que tiverem tosse ou coriza, mas nesses casos a dose poderá ser aplicada e ainda assim, a pessoa será orientada a procurar um serviço de saúde.

Em caso de fila, mantenha distância de pelo menos 2 metros dos demais, principalmente os idosos.  E, para mais informações sobre a campanha nacional de vacinação contra a gripe, acesse: saude.gov.br/vacinabrasil.


Fonte: Agência do Rádio


últimas