POLÍTICA

Ex-petista é o nome do PSDB para a disputa municipal após desistência de Zambon?

Ex-petista é o nome do PSDB para a disputa municipal após desistência de Zambon?

Ou eles querem a vaga que atualmente é de Gustavo Pinato na coligação?

Ou eles querem a vaga que atualmente é de Gustavo Pinato na coligação?

Publicada há 1 mês

Da Coluna Entrelinhas


Ex-petista é o nome do PSDB para a disputa municipal após desistência de Zambon?Vereador pertenceu às fileiras do PT por vários anos e atualmente exerce o primeiro mandato na Câmara. Foto: Facebook

Em que situação emergiu o tucanato fernandopolense! Chega a ser inacreditável para quem outrora conheceu o partido em seu nascituro sob a batuta do ex-prefeito Armando Farinazzo (in memoriam) que, aliás, se dentre nós ainda estivesse, certamente não permitiria ação similar a que se aventa no horizonte. Aos fatos. O ex-vice-prefeito de Ana Bim José Carlos Zambon (também presidente da ZPE de Fernandópolis - lembram-se?) desistiu de vez de participar do pleito deste segundo semestre, alegando motivos pessoais (na real, a desorganização do partido). Mais que imediatamente surgiu, em substituição, o nome do atual vereador (e aliado de Analice Fernandes) João Pedro Siqueira, o popular João Pedro da Caixa, como o novo expoente do PSDB para pleitear a condução do município. 

O detalhe é que o parlamentar está no exercício do primeiro mandato; é recém-filiado ao partido e provém do... PT. Isso mesmo! É um dos mais antigos militantes da agremiação de Lula e Dilma Rousseff.


Realidade é outra! Eles querem a vaga que atualmente é de Gustavo Pinato

Porém esse é um tiro de festim, disparado para iludir cidadãos menos informados e afetos às manipulações eleitorais. Na real a ambição, tanto pessoal do substituto como de seu partido, com a devida benção da atual comandante (a deputada Analice Fernandes) é ocupar a vaga de vice na coligação encabeçada por André Pessuto. Pretensão legítima, diga-se de passagem. Não somente dos tucanos como de qualquer outra agremiação alinhada com a atual administração. 

O problema é outro! 

A vaga ambicionada atualmente é ocupada por Gustavo Pinato, que até agora não cravou que irá, como quer boa parte do "comando" de Pessuto, para a eleição proporcional, buscar uma vaga no Palácio 22 de Maio. 

E, convenhamos, não é nada recomendável prover uma alteração desse porte sem, no mínimo, consultar - e obter a benção - de seu irmão, o deputado Fausto Pinato.


Pessuto nega preferência e diz que decidirá junto com deputadoOs irmãos Pinato - o vice e o deputado - junto ao prefeito Pessuto. Foto: Arquivo / Jornal O Extra.net

Consultado pela coluna, o prefeito André Pessuto cravou que ainda não há sequer definição nem sobre o seu próprio nome. "O grupo é que tomará as definições oficialmente e até lá temos que aguardar". O prefeito disse que se for o escolhido, certamente, gostaria que o PSDB compusesse a coligação, mas que não asseguraria a vaga de vice-prefeito para eles. Nesse tópico, Pessuto frisou que a escolha passará por um diálogo com o deputado federal Fausto Pinato-Progressistas. 

Já o deputado afirmou-nos que, infelizmente, ainda não teve disponibilidade para pensar nas eleições municipais, face à pandemia que assola o país e que provoca milhares de vítimas na região. Após a definição de nova data do pleito pela Câmara dos Deputados ele deve se inteirar das articulações e tomar suas decisões, não somente em Fernandópolis, mas em toda a região.


Oposição vai se solidificando com o advogado petebista

Dantes era quase que uma certeza: o ex-deputado estadual Gilmar Gimenes-PSDB viria, e forte, para concorrer com Pessuto. Alijado da disputa, por motivos óbvios - Operação Hígia -, as atenções centraram em Zambon. Com este também desistente, aventam-se os nomes de Henri Dias, Adélia Menezes, Cabo Santos, Renato Colombano e até do ex-vereador José Horácio. Ana Bim é carta fora (mas seu filho Kiko Bim pode surgir como vice).

De todos, o mais encaminhado atualmente é o advogado que, na passada, foi candidato a vice na coligação com Ana Bim. O desafio é conseguir aglutinar todos os oposicionistas num agrupamento único, pois, subdivididos, facilitarão, e muito, o trabalho de Pessuto.

Com Zambon fora, o caminho da unicidade ficou mais alcançável.


Empregos: o saldo era positivo. Não é mais e não o será por muito tempo

Indagamos, em coluna publicada há exatamente um mês, até quando Fernandópolis resistiria como único município da região rio-pretense com saldo positivo na geração de empregos?

Pois, transcorridos 30 dias, eis que a respostas nos abordou: já era! Bastou a divulgação dos dados do Caged, órgão do Ministério do Trabalho, com os dados de Maio para que o município aderisse à tendência geral já apurada em Rio Preto, Votuporanga, Jales, Santa Fé do Sul, Mirassol e Catanduva e, de um saldo positivo acumulado em 2020 de 165 novos postos formais de trabalho, caiu para 102 negativo.

E não há que se reclamar e muito menos que imputar culpabilidade ao governo municipal. Afinal, até dantes a deflagração da pandemia, os números eram surpreendentemente positivos. Ano passado fechou com 7.341 admissões e 7.205 demissões, e saldo positivo de 136 postos de trabalho. 

Quando voltará a o ser - positivo - é um enigmático questionamento irrespondível.


- O maior beneficiado do benefício. Prorrogado em mais 60 dias mediante o pagamento de duas parcelas de R$ 600,00, o Auxílio Emergencial - que custa aos cofres públicos R$ 54 bilhões por mês - é considerado essencial para a população mais pobre (e os fraudadores inclusos). Porém o maior interessado na dilação do programa é justamente o presidente Jair Bolsonaro, que na última pesquisa DataFolha caiu em todas as camadas econômicas, exceto na mais pobre, o que sustentou a estabilidade de seus índices. E estes são justamente os beneficiados pelo auxílio.

- Mudança de Jales para Rio Preto. E, conforme decantamos cá na coluna anteriormente, o delegado de Polícia Federal  Cristiano Pádua da Silva acabou migrando da divisão jalesense para a de Rio Preto. Ele substituirá o então delegado chefe da Polícia Federal André Luiz Previato Kodjaoglanian, que sai para concorrer à vice-prefeitura de Lins. Cristiano protagonizou a Operação Vagatomia que apura venda de vagas no curso de Medicina da Universidade Brasil.

- Promotoria de olho nas ações dos prefeitos. Falando em Justiça Federal, eis que o Ministério Público Federal (MPF) recomendou que sete municípios do noroeste de São Paulo reforcem o atendimento primário em saúde para que haja redução no número de internações por covid-19 em hospitais públicos da região. Os pedidos foram encaminhados às Prefeituras de Estrela D'Oeste, Fernandópolis, Jales, Santa Fé do Sul, São João das Duas Pontes, Urânia e Votuporanga. 

- Mais uma volta: das "Auto Escolas". Na última segunda-feira, dia 29, Fernandópolis iniciou a retomada gradual das atividades dos Centros de Formação de Condutores (CFCs) credenciados pelo Detran.SP. As aulas práticas, que terão série de medidas de proteção, para evitar contágio, são apenas para aqueles alunos que já estavam com o processo em andamento antes do início da pandemia do coronavírus (Covid-19). No entanto, novos alunos não poderão se inscrever neste momento.

- Recorde atrás de recorde: que infelicidade! Mais 222 casos em apenas 24 horas; número de mortes chegou a 83, com mais três óbitos, com coeficiente de contaminação que chegou a 618 para cada 100 mil habitantes. Eis o novo recorde registrado em Rio Preto na quarta-feira, 01. No dia anterior, Fernandópolis também sobrepujou seu recorde diário com 54 novos casos positivos; na quarta, 24, foi a vez de Votuporanga. Pelo visto o pico ainda está longe.


"Lamento pelo o Zambon, uma pessoa correta, íntegra, que não merecia passar por uma situação dessas. Ele tem uma bela história política e sair de cena dessa forma é constrangedor".Do advogado e pré-candidato petebista, sobre a saída do ex-vice-prefeito José Carlos Zambon da disputa executiva em Fernandópolis.


 

últimas