EM 2 MESES

Rede de checagem desmentiu 69 notícias falsas relacionadas ao processo eleitoral brasileiro

Rede de checagem desmentiu 69 notícias falsas relacionadas ao processo eleitoral brasileiro

Página “Fato ou Boato”, da Justiça Eleitoral, reúne checagens de fake news feitas por nove agências especializadas

Página “Fato ou Boato”, da Justiça Eleitoral, reúne checagens de fake news feitas por nove agências especializadas

Publicada há 10 meses

Da Redação

No dia 1º de outubro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançou, em parceria com nove agências de checagem, o site “Fato ou Boato”, que tem como objetivo averiguar a veracidade de informações envolvendo o processo eleitoral brasileiro disseminadas por meio das redes sociais. A rede de checagem, que também conta com o apoio dos 27 Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) brasileiros, integra o Programa de Enfrentamento à Desinformação com Foco nas Eleições 2020, criado pela Corte Eleitoral em agosto de 2019.

Para a secretária-geral da Presidência do TSE, Aline Osorio, a estratégia adotada pelo Tribunal é de combater as fake news com informações de qualidade, assegurando, assim, a livre expressão de ideias. “Nosso Programa de Enfrentamento à Desinformação foi muito pensado e feito de forma robusta, com grandes parcerias com as agências de checagem e com todas as plataformas. É um trabalho muito próximo a cada um dos nossos parceiros”, pontuou.

Quase 70 boatos desmentidos pelas agências

Em dois meses de atuação, 76 assuntos foram abordados na página, sendo 69 publicações referentes a conteúdos falsos espalhados na internet. Os sete temas restantes se dividem entre campanhas do TSE e notícias verdadeiras checadas pelas agências especializadas. Entre o dia 1º de outubro – data de lançamento da página – e 1º de dezembro de 2020, foram publicadas 246 checagens.

Em 15 de novembro, as agências fizeram 34 verificações de fatos referentes a oito fake news que circularam na web na data de realização do primeiro turno do pleito municipal. Já no dia 29 de novembro, quando foi realizado o segundo turno em 57 municípios brasileiros, foram 12 checagens atreladas a quatro temas principais.

Em 2020, a maioria dos boatos propagados nas redes questionou a segurança das urnas eletrônicas e a fidedignidade dos resultados das eleições, todos prontamente desmentidos pelas participantes da coalizão.

Fazem parte do projeto jornalistas da AFP Checamos, Agência Lupa, Aos Fatos, Boatos.org, E-farsas, Estadão Verifica, Fato ou Fake, Projeto Comprova e Uol Confere.

últimas