PANDEMIA

Pacientes com Covid-19 morrem em Irapuã e Nova Granada à espera de leitos de UTI

Pacientes com Covid-19 morrem em Irapuã e Nova Granada à espera de leitos de UTI

Irapuã decretou fase vermelha para conter avanço de casos

Irapuã decretou fase vermelha para conter avanço de casos

Publicada há 1 mês

Leitos no Hospital de Base de Rio Preto

Leitos no Hospital de Base de Rio Preto - Foto: Divulgação/Hospital de Base

Da Redação/Diário da Região

Pelo menos quatro pessoas já morreram na região de Rio Preto à espera de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em hospitais públicos. As Secretarias de Saúde de Irapuã e Nova Granada confirmaram mortes de pacientes nestas circunstâncias na última semana.

Segundo a Prefeitura de Irapuã, na última sexta-feira, 25, um empreiteiro, de 48 anos, morreu na cidade enquanto aguardava uma vaga para ser hospitalizado. A Secretaria de Saúde informou que o homem passou mal na noite de quinta-feira, 25, deu entrada no pronto socorro municipal, mas, como não havia leitos disponíveis na região, morreu na manhã de sexta-feira, 26.

Já em Nova Granada, a secretária de Saúde, Quézia Cunha, confirmou que três pacientes morreram aguardando leitos de UTI na última semana. "Tivemos, na última semana, três óbitos de pacientes que estavam em nossa urgência respiratória [Santa Casa] aguardando vaga. Os pacientes ficaram lá, foram evoluindo e não conseguimos transferir por falta de leitos", afirmou.

As vítimas em Nova Granada foram dois homens, um de 47 e outro 86 anos, e uma idosa de 82 anos. "Estamos com muitas dificuldades para encaminhar pacientes. Nossa referência é o Hospital de Base, mas não estamos conseguindo encaminhar. Mesmo nas outras regionais de saúde estamos tendo dificuldades. A situação é crítica, e os casos estão aumentando diariamente", disse a secretária de saúde de Nova Granada.

Outras cidades, como Tabapuã e Potirendaba, também têm pacientes com Covid-19 aguardando vagas em UTI dos hospitais municipais.

Como forma de conter o aumento de casos, a prefeitura de Irapuã regrediu a cidade da fase laranja para a vermelha do plano São Paulo, a mais restritiva. Já em Catanduva, prefeitos de 15 cidades decidiram por endurecer as medidas de restrição nos municípios como forma de conter o aumento do número de casos e de internações nos hospitais de Catanduva, que já operam com capacidade máxima nas UTIs.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Saúde para saber sobre à espera de leitos de UTI no Departamento Regional de Saúde (DRS) de Rio Preto, mas até o momento não obteve resposta.


Fonte: www.diariodaregiao.com.br

últimas