A bagagem da derradeira viagem: a morte

A bagagem da derradeira viagem: a morte

Quais as riquezas que o homem tem a posse real? E quais apenas o usufruto?

Quais as riquezas que o homem tem a posse real? E quais apenas o usufruto?

Publicada há 1 mês

MINUTINHO

A bagagem da derradeira viagem: a morte

Por: Pascal, Genebra, 1860.

“O homem só possui em plena propriedade aquilo que lhe é dado levar deste mundo. Do que encontra ao chegar e deixa ao partir goza ele enquanto aqui permanece. Forçado, porém, que é a abandonar tudo isso, não tem das suas riquezas a posse real, mas, simplesmente, o usufruto. Que é então o que ele possui? Nada do que é de uso do corpo; tudo o que é de uso da alma: a inteligência, os conhecimentos, as qualidades morais. Isso é o que ele traz e leva consigo, o que ninguém lhe pode arrebatar, o que lhe será de muito mais utilidade no outro mundo do que neste. Depende dele ser mais rico ao partir do que ao chegar, visto como, do que tiver adquirido em bem, resultará a sua posição futura.

Quando alguém vai a um país distante, constitui a sua bagagem de objetos utilizáveis nesse país; não se preocupa com os que ali lhe seriam inúteis. Procedei do mesmo modo com relação à vida futura; aprovisionai-vos de tudo o de que lá vos possais servir.

Ao viajante que chega a um albergue, bom alojamento é dado, se o pode pagar. A outro, de parcos recursos, toca um menos agradável. Quanto ao que nada tenha de seu, vai dormir numa enxerga.

O mesmo sucede ao homem, à sua chegada ao mundo dos Espíritos: depende dos seus haveres o lugar para onde vá. Não será, todavia, com o seu ouro que ele o pagará. Ninguém lhe perguntará: Quanto tinhas na Terra? Que posição ocupavas? Eras príncipe ou operário? Perguntar-lhe-ão: Que trazes contigo? Não se lhe avaliarão os bens, nem os títulos, mas a soma das virtudes que possua. Ora, sob esse aspecto, pode o operário ser mais rico do que o príncipe. Em vão alegará que antes de partir da Terra pagou a peso de ouro a sua entrada no outro mundo. Responder-lhe-ão: Os lugares aqui não se compram. Conquistam-se por meio da prática do bem. Com a moeda terrestre, hás podido comprar campos, casas, palácios; aqui, tudo se paga com as qualidades da alma. És rico dessas qualidades? Sê bem-vindo e vai para um dos lugares da primeira categoria, onde te esperam todas as venturas. És pobre delas? Vai para um dos da última, onde serás tratado de acordo com os teus haveres.”


O vendedor de balões

Por: Autoria desconhecida

Era uma vez um velho homem que dedicava a vida de aposentado a vender balões. Certo dia ele estava numa quermesse e, perto dele, observando tudo deslumbrado, havia um menino negro. Evidentemente que o ancião era um bom vendedor, pois deixou um balão vermelho soltar-se e elevar-se nos ares, atraindo, desse modo, uma multidão de jovens compradores de balões.  

Depois de ter soltado o balão vermelho, o homem soltou um azul; minutos depois um amarelo e finalmente um belo e grande balão branco. Todos foram subindo até sumirem nas nuvens, se perdendo de vista. 

O menino, de olhar atento, seguia a cada um. Ficava imaginando mil coisas. Porém uma coisa o aborrecia: - o homem não soltava nenhum balão preto. Então, tomou coragem e aproximou-se do vendedor e lhe perguntou: 

- Tio! Se o senhor soltasse o balão preto, ele subiria tanto quanto os outros? 

O vendedor de balões sorriu compreensivamente para o menino, arrebentou a linha que prendia o balão preto, soltando-o, e enquanto ele se elevava nos ares, disse: 

- Não é a cor filho. É o que está dentro dele que o faz subir

últimas