Do sagrado ao profano

Do sagrado ao profano

Uma crônica de Paulo Coelho

Uma crônica de Paulo Coelho

Publicada há 1 semana

MINUTINHO

Expurgação

Por: Joanna de Ângelis/Divaldo P. Franco/2017

Apregoa-se, em tom profético alarmante, que o processo de mudança terrestre para mundo de regeneração dar-se-á por meio de tragédias, entre as quais hediondos sismos catastróficos acompanhados de horror e loucura....

Assevera-se, com certa dose de autoridade, a respeito do futuro, que o acontecimento transformador tem data definitiva, caracterizada por insuportáveis fenômenos da Natureza, a ninguém poupando...

Estabelece-se, com arremedos proféticos, que a hora se aproxima e necessárias se tornam providências radicais, incidindo-se em equívocos lamentáveis...

Descrevem-se desgraças programadas pela Divindade para punir as criaturas terrestres rebeldes ou impenitentes, qual aconteceu com as cidades bíblicas de Sodoma e Gomorra, cruelmente arrancadas do mapa pela ação dos Céus, dominados pela vingança do Altíssimo...

Desenha-se um panorama de desar para os futuros próximos tempos, como se o amor não fosse a lei básica, fundamental, que vige na Criação...

Heranças do deus antropomórfico estimulam imaginações febris a se utilizarem dos castigos impiedosos para chamar à ordem e ao dever todos aqueles que se encontram na trajetória da ignorância.

Os fenômenos evolutivos fazem parte da trajetória do planeta desde priscas eras.

Da nebulosa de gases incandescentes ao mundo sutil em que o mesmo se tornaria, experiências colossais, consideradas trágicas, sacudiram-no.

As diferentes idades, desde o período da condensação da energia em matéria, dos movimentos geológicos com as suas placas tectônicas até à pureza da atmosfera e a harmonia da paisagem, eram estabelecidas pelas leis do progresso dos mundos. Nada possuíam de calamitoso nem destrutivo, antes obedeciam a programas muito bem elaborados, a fim de alcançar a meta de mundo feliz.

Naturalmente, em razão dos seus habitantes ainda distantes da observância da ordem e do dever de respeito à vida, tem gerado, pelas emanações psíquicas venenosas, situações lamentáveis na economia moral e espiritual da Humanidade.

Certamente acontecerão expurgações coletivas em razão da própria influência e afinidade entre os seus cômpares, exigindo-lhes mudanças morais para o próprio bem.

As crises de variada manifestação que aturdem a sociedade são resultado do comportamento desvairado das nações do passado que escravizaram seus irmãos, das guerras devastadoras e das imposições perversas, cujas consequências hoje são colhidas.

A falência das filosofias éticas e das religiões pacifistas assim como das instituições fraternais, inspiradas por Deus, acumulou mefíticas vibrações que, interferindo nas Leis Divinas, provocaram calamidades, pandemias, lutas tiranizantes, padecimentos ultrizes.

Já teve início a grande transformação planetária e o sofrimento gerado pelo egoísmo humano tornou-se-lhe o terrível adversário, empurrando para a luta da sobrevivência.

De igual maneira, as conquistas da inteligência e os extraordinários engenhos tecnológicos tornaram a Mãe Terra em um mundo de beleza e encanto. Entretanto, faltou sensibilidade para se repartir conforto e prosperidade com todos; cuidou-se de sujeitar os mais fracos e ignorantes à submissão humilhante e destrutiva da escravidão econômica, política e total olvido dos direitos humanos, dando lugar à degradação da miséria de variada expressão.

Os efeitos são visíveis nos paradoxos que se apresentam em toda parte.

Concomitantemente, as formidandas dores morais e espirituais nas classes invejadas as rebaixa às idênticas situações dos réprobos.

A grande expurgação encontra-se em atividade, arrebatando multidões ao Mundo Espiritual sem permissão de próximo retorno ao amado lar terrestre.

Novos aprendizes renascem nas sombras e luzes planetárias, implantando os paradigmas salvadores que, desde há vinte séculos, Jesus estabeleceu.

Cuida de observar a questão da hora grave, naquilo que te diz respeito e retifica atitudes e comportamentos, conceitos e reflexões.

Desvela o teu Cristo interno, integra-te à legião do amor e, desperto, esparze a luz do conhecimento salvador na ação de bondade e de misericórdia, inaugurando confiança e harmonia, entre os demais seres humanos.

Sê tu quem demonstre que o mundo progride, semeando bênçãos onde estejas.

CRÔNICA

Do sagrado ao profano

Por: Paulo Coelho

Tudo em nossa vida pode ser simplesmente uma obrigação, ou pode ser uma maneira de encontrar-se com Deus.

Três operários trabalhavam numa obra, quando um homem aproximou-se. “O que você está fazendo?“ perguntou ao primeiro operário.

“Estou ganhando a vida!“, disse, mal humorado.

O visitante virou-se para o segundo operário e fez a mesma pergunta. “Estou quebrando pedras”, respondeu ele.

Finalmente, o visitante se aproximou do terceiro homem e fez a mesma pergunta.

“Estou construindo uma catedral, uma obra de Deus”, foi a resposta.

Os três faziam a mesma coisa. Mas apenas o terceiro compreendia sua tarefa.

"Amor sagrado e profano" - pintura de Ticiano (1490-1576) 


últimas