quinta, 19 de outubro de 2017
área do assinante
11/08/2017 09:24
Edição 3107

Cuidado com a precipitação

Por Marcos Orati - Pastor

Texto base: “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado” (Provérbios 19.2)


Introdução:

– Ser precipitado é agir ou falar sem pensar nas consequências e sem buscar a Deus. A precipitação é a causa do sofrimento de muitas pessoas.

- A palavra precipitação vem de precipício: abismo, perdição, ruína. A Bíblia ensina que quem age precipitadamente é louco: “O longânimo é grande em entendimento, mas o de ânimo precipitado exalta a loucura” (Provérbios 14.29).

- Heródoto, um historiador grego, disse: “A precipitação é a mãe do fracasso”


1 – Precipitação nas palavras

– “Tens visto um homem precipitado nas suas palavras? Maior esperança há para o insensato do que para ele” (Provérbios 29.20).

– De acordo com o dicionário, “insensato” significa: “Falto de senso ou razão, demente, louco”

– A Bíblia ensina, portanto, que há mais esperança para o louco do que para aquele que fala precipitadamente.


2 – Algumas decisões precipitadas

– Avalizar alguém em um negócio, emprestar cheques ou cartão de crédito, emprestar o nome para realização de compras ou afiançar um aluguel.

– Nas viagens de carro: ultrapassar fora de local permitido e trafegar em velocidade acima do permitido. Consequências: dor, morte, invalidez, prejuízos, etc.

– Construir em lote alheio: lote dos pais, dos sogros, dos parentes.

– Pedir demissão do emprego, por pressão, perseguição ou por indecisão. Isso é sair fora do tempo de Deus.

– Sair da igreja onde Deus o colocou. “Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns; antes, admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais quanto vedes que se vai aproximando aquele Dia” (Hebreus 10.25).

– Deixar a liderança que Deus o colocou. “Lembrem-se dos seus líderes, que transmitiram a palavra de Deus a vocês. Observem bem o resultado da vida que tiveram e imitem a sua fé” (Hebreus 13.7).

– Mudar de cidade por decisão humana, sem pesquisar para onde está indo ou confiando em palavras de amigos e parentes, sem a direção de Deus. “O orgulho só gera discussões, mas a sabedoria está com os que tomam conselho” (Provérbios 13.10).


3 – As consequências de um ato precipitado

– Sara, Abraão e Agar (Gênesis 16.1-6). Resultado: Ismael pai dos árabes e Isaque pai dos judeus. É um conflito que se estendeu por gerações e continua até os dias de hoje.

– Esaú e sua escolha precipitada (Gênesis 25.27-34). Esaú vendeu o direito de primogenitura. Perdeu a herança.


4 – A precipitação nos torna escravos

“Aquele que é vencido fica escravo do vencedor” (2Pedro 2.19).

– Decisão de fazer mal a alguém. Consequências: condenação, prisão, destruição da vida e da família.

– Casamento precipitado, sem ouvir os pais, o pastor ou o líder: choro, sofrimento e angústia.

– Incluir alguém em uma liderança ou cargo de confiança sem primeiro prová-lo: perdas irreparáveis para ambas as partes, inimizade e decepção.

– Dar crédito a uma palavra profética sem antes prová-la ou conhecer a vida do profeta: tendência em ouvir o que a alma quer, frustração.

– Tomar uma decisão sem antes ouvir conselhos. Comunicar uma decisão é diferente de buscar um conselho.

Conclusão:

– Quando passamos por dificuldades, ficamos tentados a agir de maneira precipitada.

– Mas qual é a ordem do Senhor para estas ocasiões? Aquietar, parar, esperar.

– “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra” (Salmos 46.10).

– Os planos fracassam por falta de conselho, mas são bem-sucedidos quando há muitos conselheiros” (Provérbios 15.22).

– Não havendo sábios conselhos, o povo cai; mas na multidão de conselhos há  segurança” (Provérbios 11.14).


DEUS ABENÇOE