quinta, 19 de outubro de 2017
área do assinante
09/10/2017 15:25
Edição 3147

'O Rei do Facão'

Por Chico Piranha

O nosso amigo Alemão Eletricista tem um primo lá em Limeira D’Oeste, nas Minas Gerais, que ficou conhecido como o “rei do facão”. O Pedrão, como diz o Alemão, ganhou este apelido no dia que ele e seus amigos resolveram fazer uma pescaria lá pelas bandas do “Porteirão” no famoso e piscoso rio São Domingos


Acontece que havia chovido muito e o rio espraiou pelas baixadas, formando um verdadeiro pantanal e para chegar na ceva, era preciso rasgar a mata e o taboal, com a água pela cintura. Como ele conhecia bem aquela região, foi na frente com um facão “tinindo de tão afiado”, abrindo uma picada para facilitar a caminhada do povo que vinha atrás andando em fila indiana.


Animado com uns goles da água que passarinho não bebe, ele seguia adiante mandando o facão com fé e vontade, em tudo que via pela frente. “Comigo é assim mesmo, na facãozada, bateu, torou...” E foi rasgando aquela selva de arranha-gato no peito, torando tudo que era mato de um lado e do outro da picada.


De repente, num golpe certeiro, torou uma pequena árvore que abrigava em sua copa, uma baita caixa de marimbondos. Aí foi um Deus nos acuda. Com o ataque dos bichos enfurecidos, cada um saiu correndo para o lado que o nariz estava apontado. Passada a tal encrenca, até hoje, ninguém sabe o que foi pior: se as picadas dos marimbondos, os ‘talhos” nas moitas de navalha-de-macaco ou as espetadas nos arbustos de arranha-gatos. Agora quando tem pescaria, os amigos decidiram: o Pedrão até pode ir com a turma, mas está proibido de levar seu perigoso facão!