domingo, 19 de novembro de 2017
área do assinante
30/10/2017 15:42
Edição 3161

BORBOLETAS NO AZUL DO CÉU

Por Isabela Zarda 


“Nós somos do tecido de que são feitos os sonhos...”

William Shakespeare



Laurinha menina meiga, com nove anos de idade

Por tudo que ela fazia, pelas coisas que dizia,

Mostrava precocidade.

Mas isso não impedia que vivesse a sua infância,

Uma menina sapeca, que brincava de boneca,

Como todas as crianças.

Era a alegria da casa, com seu jeito delicado,

De manhã se levantava, para seus pais ela contava,

Tudo que havia sonhado.

 

Um dia de manhãzinha, todos em volta da mesa,

O pai e mãe de Laurinha tiveram uma grande surpresa:

“Papai, durante essa noite, tive um sonho de princesa.

Quero contar para vocês, pois vão gostar com certeza.

Todos meus sonhos são lindos, mas esse foi diferente.

Não quero que me ensinem, eu vou contar tudo em rima,

Como se fosse um repente.

 

Eu estava levitando, sentindo o doce do mel,

E ao sair para o quintal, olhei para o azul do céu.

Eu vi nuvens tão branquinhas, mais pareciam pombinhas

Desenhadas com pincel.

As árvores em alvoroço, com forte soprar do vento,

Pareciam bater palmas, senti uma festa na alma,

Na magia do momento.

 

Violetas e alamandas cercavam todo o jardim.

Quando eu olhava para elas, pareciam olhar para mim.

Lindos pés de mussaenda, um cipó chamado renda

E um cheiro bom de jasmim.

 

Um grande pé de romã que sombreava a parede

Até nisso eu tive sorte, onde eu amarrei bem forte

Umas das pontas da rede.

Não senti sede, nem fome.

Não tinha calor, nem frio.

Então me atirei na rede, sobre o trançado macio.

 

Vinham visitar as flores, borboletas e abelhas.

Senti a essência do amor, num ninho de beija-flor,

Na sombra fresca das telhas.

Eu pude ver e ouvir o canto de um uirapuru

O seu canto e a sua imagem mais pareciam mensagem

Ao nosso planeta azul.”

 

O seu pai emocionado, chorando abraçou a filha:

“Meu pedacinho de gente, como é inteligente.

É o orgulho da família!”

“Papai, você me desculpe, não que você chora,

Eu só estou tirando onda, isso é um trabalho de escola,

Dessa vez não foi um sonho, foi um pedido da tia

Isso é um trabalho de classe

Para que eu participasse, do concurso de poesia!”

 

*

ISABELA ZARDA,CURSANDO O PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO, É VENCEDORA DO CONCURSO DE REDAÇÃO TVTEM 2016