domingo, 17 de dezembro de 2017
área do assinante
18/11/2017 10:21

'O que ela fez não tem perdão', diz vítima de suco 'batizado' com remédios

Caso aconteceu na escola Afonso Cáfaro e cinco alunas foram parar na UPA; acusada está suspensa, mas vítimas querem expulsão

Por Marcela Barbar 


Na manhã da última quinta-feira (16), uma aluna do terceiro ano do Ensino Médio, da Escola Estadual Afonso Cáfaro, ingressou na sala de aula logo após bater o sinal para os alunos entrarem e consigo carregava uma garrafa de suco, a qual saiu oferecendo a todos que estavam dentro da sala, porém apenas cinco pessoas aceitaram e tomaram a bebida.


Minutos depois, no final da primeira aula, as vítimas começaram a passar mal sentindo os efeitos colaterais dos remédios que a autora havia colocado no suco.


"Nós cinco que tomamos o suco saímos da sala de aula passando mal e fomos direto para o banheiro. No caminho encontramos com a professora da segunda aula e contamos para ela o que estava acontecendo", relata uma das vítimas.


Ao chegar à sala, a professora da segunda aula, encontrou com a adolescente que ofereceu a bebida e a levou para a diretoria da escola, onde ela acabou confessando que havia colocado vários remédios no suco e oferecido aos colegas de classe.


De acordo com a mãe da autora, a filha não teve a intenção de fazer nenhum mal para as amigas. Ela apenas fez o suco para ela mesma tomar e acrescentou os remédios para ficar mais calma porque teriam prova de matemática no dia e a sua filha não é boa na matéria. Ainda de acordo com a mãe, a filha colocou três comprimidos de Rivotril e algumas gotas de dipirona na bebida.


Após o ocorrido na escola, todas as vítimas foram encaminhadas para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da cidade e passaram a manhã inteira em observação.


Outra das vítimas relatou que essa não foi a primeira vez que a jovem fez algo contra a sala e que todas às vezes ela foi perdoada, mas dessa vez ela passou dos limites. Já outra vítima disse que "por ser uma colega de classe nunca esperei isso dela. Realmente o que ela fez não tem perdão. Em relação a tudo o que aconteceu ela precisa de tratamento psicológico. Nenhum adolescente em sã consciência faz o que ela fez. Mas quem sou eu pra julgar alguém?", afirmou.


Alunos da sala da autora estão revoltados com o que ela fez e acreditam que a autora deveria ter sido expulsa da escola e não apenas ter levado uma suspensão, como imposto pela direção da unidade escolar.


Todas as vítimas passam bem e afirmaram que esperam que a Justiça seja feita.


MANIFESTAÇÃO OFICIAL

O diretor da unidade escolar Roberto Alves Gomes, em entrevista, afirmou que “Tomamos as primeiras medidas e providenciamos o boletim de ocorrência. O frasco do suco foi encaminhado à perícia, que vai constatar o que havia na mistura. É importante ressaltar que a escola está trabalhando com ações de conscientização em medidas pedagógicas para que novos casos como este não ocorram”, explica Roberto.


Ele ratificou que assim que as estudantes apresentaram os primeiros sintomas de tonturas e náuseas foi acionado imediatamente o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para socorrer as adolescentes. Os pais das adolescentes foram informados sobre o caso, e a jovem que levou o suco até a escola foi suspensa.