domingo, 25 de fevereiro de 2018
área do assinante
08/02/2018 14:08

Justiça manda América de Rio Preto trocar Italiano por Zé Branco na presidência

Juiz Marcelo Moraes Sabbag manda Zé Branco reassumir presidência do América. Ele foi afastado do clube em 2016, recorreu à Justiça e, com a decisão, promete anular os atos da atual diretoria

Da Redação 


O América já anunciou novo treinador, novas parcerias para o futebol em 2018, mas o “fantasma” do ex-presidente José Carlos Pereira Neto, o Zé Branco, está rondando o estádio Teixeirão e trazendo incertezas quanto ao futuro do clube. O juiz Marcelo de Moraes Sabbag, da 6ª Vara Cível de Rio Preto, emitiu na segunda-feira, 05, o mandado de constatação para recolocar Zé Branco na presidência do clube, por meio da ação movida pelo cartola contra o ex-presidente do Conselho Deliberativo, João Eurides Rodrigues, em outubro de 2016.


Na prática, a atual administração afirma ser difícil dar poderes a Zé Branco, já que seu mandato se encerrou no final do ano passado e Luiz Donizete Prieto, o Italiano, vice que herdou o restante do cargo de Zé Branco, foi eleito para o próximo mandato. "Não tem como colocar o Zé Branco, já está registrado em ata a eleição, o novo mandado. Existe jurisprudência pacificada no TJ, não tem como reconduzir o cargo com mandato expirado. Perdeu o objetivo da ação", disse o advogado do América, Renato Custódio da Silva. "O que eu faço com novo conselho, vai voltar ao anterior? A complexidade é muito grande".


Italiano, por sua vez, recorreu ao impeachment de Dilma Rousseff para desqualificar a decisão do juiz. "Ele tem de procurar o João para ser reempossado, mais o presidente do Conselho é o Pedro, é outro conselho. Ele não tem nem como dirigir o América. Mesma coisa se a Dilma querer voltar ano que vem depois das Eleições. Creio que não vai prosperar, pode chegar num dia, mas noutro ir embora", disse Italiano.


O atual presidente do Conselho Deliberativo, Pedro Batista, afirma que a decisão judicial tem de ser cumprida, porém, o órgão é soberano no clube. "Vamos obedecer a Justiça e depois ver o que o estatuto diz", afirmou Batista.


Mas, reassumindo o clube, Zé Branco adiantou que planeja como primeira ação anular todas decisões tomadas por Italiano em sua ausência forçada. Ou seja, até mesmo o pleito eleitoral seria anulado para que Zé Branco cumprisse os meses restantes de seu mandato e ao final, sim, convocaria os sócios para um novo pleito.

"Como expirou o prazo se fui tirado de uma função que era minha e não deram oportunidade de nada? Eles não deixaram eu voltar, nem podia entrar no estádio. Eu chegando lá anulo tudo, estava irregular, até mesmo na eleição sei de gente que votou que nem sócio é", disse Zé Branco. "Contrataram treinador, fizeram parceria com a base, quero ver a prestação de contas que o Italiano fez. A eleição vai ser anulada, como que teve se o presidente era eu. Tudo se anula".


Zé Branco foi afastado em meados de 2016 por denúncias de ter recebido dinheiro do clube na conta bancária de uma sobrinha e ter parentes no conselho fiscal. Um relatório de sindicância seria votado em 17 de outubro de 2016, mas o cartola foi reconduzido graças a uma liminar. Na época o conselho, sob a presidência de João Eurides, apelou em segunda instância, mas antes que fosse julgado, o próprio conselho fez um novo afastamento com base em novas denuncias, de que Zé Branco estaria cobrando para que garotos jogassem pelo América e também que Zé Branco não teria defendido o América no processo movido pelo ex-advogado do Rubro Luiz Carlos Tonin. Na Justiça, Tonin cobra uma dívida de R$ 963 mil de honorários.


A decisão de Sabbag é em cima da liminar que já teria sido cumprida pelo clube. João Rodrigues ainda foi multado em R$ 20 mil por não acolher a liminar.


(*Com informações do Diário da Região)


Zé Branco promete anular todas as ações feitas por Italiano em sua ausência