IMEDIATAMENTE

Operação na Universidade Brasil pode estar relacionada a descumprimento de decisão do MPF

Operação na Universidade Brasil pode estar relacionada a descumprimento de decisão do MPF

A reportagem ligou na universidade, mas, a Assessoria de Impressa da instituição que estava em reunião não forneceu explicações.

A reportagem ligou na universidade, mas, a Assessoria de Impressa da instituição que estava em reunião não forneceu explicações.

Publicada há 6 meses


A operação deflagada pela Polícia Civil na manhã de hoje, na Universidade Brasil, no campus de Fernandópolis, parece mesmo estar relacionada a problemas apurados pelo Ministério Público Federal-MPF, através da unidade de Jales, relativas ao curso de Medicina.

Apesar de até agora, às 11h40 desta sexta-feira, 12, a Assessoria de Imprensa da universidade não ter prestado esclarecimentos, conseguimos acesso ao MPF que, em Recomendação datada do último dia 14 de março, apresenta uma série de procedimentos para ser adotado pela direção da instituição, em especial pelo reitor José Fernando Pinto da Costa.

A "Recomendação" é fruto de um Inquérito Civil Público instaurado pela Procuradoria e o prazo concedido para que a Universidade Brasil adotasse as providência expirou no último dia 24.

Confira parte do ICP nº 1.34.030.000013/2019-14  abaixo:

Para tanto, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio dos Procuradores da República infra-assinados, com fulcro no artigo 6 o , inciso XX da Lei Complementar no. 75/1993, considerando todo o exposto, RECOMENDA à UNIVERSIDADE BRASIL, na pessoa de seu Magnífico Reitor, José Fernando Pinto da Costa, o seguinte:

a) suspenda, imediatamente, a matrícula de novos alunos no primeiro ano do curso de Medicina da Universidade Brasil no campus de Fernandópolis, independentemente da forma de ingresso, notadamente através de processo seletivo vestibular;

b) suspenda, imediatamente, a matrícula de novos alunos nos segundo, terceiro, quarto e quinto anos do curso de Medicina da Universidade Brasil, independentemente da forma de ingresso, notadamente através de processos seletivos de transferência;

 c) cancele a matrícula dos alunos dos primeiro, segundo, terceiro, quarto, quinto anos e, eventualmente, do sexto ano do referido curso, de maneira a obedecer o limite máximo definido pelo Ministério da Educação, conforme a vigência dos atos autorizativos acima citados. Tornando bem claro: a Universidade deverá manter, no máximo, 205 matriculados no primeiro ano, 205 no segundo ano, 128 no terceiro ano, 80 no quarto ano, 80 no quinto ano e 80 no sexto ano;

d) a fim de definir os alunos em excesso que deverão ser excluídos do referido curso, a Instituição deverá, inicialmente, confeccionar Rua XV, 2236, Centro, Jales/SP – CEP 15703-038 Fone (17) 3624-3111 – Fax (17) 3624-3129 – e-mail: PRSP-prm_jales@mpf.mp.br 21 / 24 lista de alunos, para cada ano do curso, contendo primeiramente os alunos ingressantes através de processo seletivo vestibular, conforme a classificação neste concurso. Na sequência, deverá inserir, na lista de cada ano do curso, os alunos ingressantes através de processos seletivos de transferência, que deverão ser classificados em relação a data da realização do processo seletivo (do mais antigo para o mais recente), bem como em relação à classificação de cada aluno nestes processos seletivos. Com base na classificação contida nestas listas, deverá, então, a instituição cancelar a matrícula dos alunos excedentes para cada ano do curso. Tornando bem claro: a instituição deverá cancelar a matrícula dos alunos do primeiro ano que estejam além da 205 a classificação; do segundo ano que estejam além da 205 a classificação; do terceiro ano que estejam além da 128 a classificação; do quarto ano que estejam além da 80a classificação; do quinto ano que estejam além da 80 a classificação; e do sexto ano que estejam além da 80 a classificação;

e) a Instituição deverá dar ampla publicidade e transparência, bem como prestar todas as informações eventualmente solicitadas, a todos os alunos da Universidade acerca dos critérios de formação das listas de classificação citadas no item anterior;

 f) comunique, imediatamente, todos os alunos em situação de “abandono” do curso de Medicina em Fernandópolis/SP, e portanto tecnicamente desligados da instituição, que suas situações não poderão ser regularizadas, ressalvada a possibilidade de novo ingresso no curso através de aprovação em vestibular, situação em que as matérias cursadas quando em situação de abandono não poderão ser objeto de aproveitamento de estudos de qualquer espécie.

 g) competirá a Instituição resolver em perdas e danos a rescisão contratual dos alunos excedentes, conforme disposições dos contratos com eles firmados e legislação em vigor;

Atualização: A informação fica invalidade, pois, apesar da apuração ministerial, o objetivo da operação foi outro. Confira no link: http://oextra.net/14637/oficial-operacao-na-universidade-esta-relacionada-a-venda-de-vagas-no-vestibular-para-medicina e também no link: http://oextra.net/14642/universidade-brasil-afirma-tambem-ser-vitima-de-esquema-criminoso

ENTENDA O CASO 

Um Vídeo enviado ao nosso canal de WhatsApp (17-99711-2445) por universitários confirmam que policiais civis estiveram na manhã de hoje, sexta-feira, 12, realizando operação na Universidade Brasil de Fernandópolis.

O objetivo foi a apreensão de documentos na diretoria da entidade. Procuramos a Assessoria de Impressa da instituição que estava em reunião e até a postagem desta matéria e não forneceu explicações.

A suspeita é de que tenha relacionamento com a denúncia formulada pelo Ministério Público Federal de Jales que acusa a Universidade Brasil de ofertar mais vagas no curso de Medicina que o autorizado pelo Ministério da Educação.

Apesar da incursão policial, as aulas seguem normalmente.

Maiores informações a qualquer instante neste site e em nossas redes sociais ou em nossa edição impressa diária deste sábado.

Veja o vídeo:

últimas