ENTRELINHAS

Oposição ganha formato e Colombano lança candidatura e mostra guerra interna no partido

Oposição ganha formato e Colombano lança candidatura e mostra guerra interna no partido

Veja também: Prefeito de Votuporanga quer cloroquina para distribuir na cidade

Veja também: Prefeito de Votuporanga quer cloroquina para distribuir na cidade

Publicada há 1 mês



Oposição fernandopolense começa ganhar formato e não inclui candidatura a prefeito pelo PSDB

Estamos a pouco mais de quatro meses do pleito municipal ou, dependendo de novas datas a serem aprovadas, a pouco mais de seis meses. Cientes de que as condições atuais são inapropriadas para campanhas públicas presenciais e aglomerações de pessoas, dificultando os trabalhos de quem está na oposição, eis que esse grupo, ainda disperso e subdividido em vários postulantes, começa a ganhar corpo e individualizar suas lideranças. Atualmente os principais nomes cogitados para brigar com Pessuto pelos votos dos fernandopolenses são Henri Dias, Adélia Menezes e Renato Colombano. Por fora ainda correm Cabo Santos e o tucano José Carlos Zambon. Ambos com menores possibilidades. Mesmo nesse trio primeiramente enumerado há amplas possibilidades de que apenas um, no máximo dois, resista até o final do processo de escolha dos nomes.


Colombano lança candidatura e seu partido - o Republicanos - já tem guerra interna

E o empresário Renato Colombano aproveitou o aniversário de 81 anos de Fernandópolis e, numa live que tinha 71 comentários e 92 curtidas (até às 12h33 de domingo, 24), afirmou que será candidato a prefeito de Fernandópolis. Atualmente ele está filiado ao Republicanos que, na região, é comandado por Edson Freire, de São José do Rio Preto.

Prometendo focar na geração de empregos e no fomento à economia local, bastou a divulgação da live para constatar que, antes de buscar alcançar os eleitores, ele terá enorme embate dentro do partido. 

A professora Adriana Menezes publicou no Facebook um vídeo onde o agora pré-candidato promoveu uma ação social, rogando doações da comunidade, para ajudar famílias carentes, afirmando que ele tinha conseguido a doação de 800 marmitas. O problema é que, na ocasião, ele fora questionado se fazia a ação com fins políticos ou absolutamente filantrópicos? Colombano negou esta última possibilidade, mas a dúvida, agora, se exponenciou.

Detalhe: Adriana é filha da ex-diretora de ensino Adélia Menezes que, além de comungar o mesmo partido com Colombano, também ambiciona ocupar a liderança dos Republicamos nas urnas.

Clique aqui para assistir ao vídeo: https://www.facebook.com/adrianeadeliamenezesdasilva.menezes.7/posts/1410209959166061


Prefeito vira "direitista", apoia Bolsonaro e quer cloroquina para distribuir na cidade

Um surto ideológico "direitista"? Uma ação consciente baseada em critérios científicos ou uma guinada com fins eleitorais buscando atingir aquela parcela de cidadãos fiéis ao atual presidente (cerca de 25% a 30%), pensando em eventual disputa pela reeleição?

Seja qual for a resposta, certo é que o prefeito votuporanguense abraçou de vez as teses sanitárias defendidas pelo governo Jair Bolsonaro e, além de defender a reabertura comercial, inclusive de academias e a realização de cultos presenciais, agora quer que o Ministério da Saúde envie hidroxicloroquina/cloroquina para que seu governo possa distribuir na rede municipal.

"É preciso distribuir o medicamento para as Secretarias de Saúde usarem em seus pacientes no início da patologia, e não quando ele já está em vias de ser entubado", afirmou João Dado.


Quer ler a Coluna Entrelinhas?

É só clicar aqui: http://oextra.net/23286/fernandopolis-a-capital-solidaria-sofre-sangra-e-chora-mas-ira-sobreviver-a-pandemia 



últimas