EMPREGOS

CAGED 2021: Fernandópolis lidera a região na geração de empregos

CAGED 2021: Fernandópolis lidera a região na geração de empregos

À frente de Votuporanga, Jales e Santa Fé do Sul; atrás, obviamente, de RP

À frente de Votuporanga, Jales e Santa Fé do Sul; atrás, obviamente, de RP

Publicada há 11 meses

Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), vinculado ao Ministério do Trabalho e que já viveu, outrora, tempos de maior credibilidade (basta vermos as constantes revisões de índices divulgados) mas ainda é importantíssima fonte nacional, estadual e regional de estatísticas. E elas apontam para a liderança absoluta de Fernandópolis, regionalmente e considerando os municípios de maior aporte populacional, na geração de empregos em 2021.

A nível nacional, o país encerrou o ano de 2021 fechando 265.811 empregos formais em dezembro, mas o saldo do ano foi positivo, com a criação de 2,7 milhões de postos de trabalho com Carteira de Trabalho assinada.

Em Fernandópolis, o mês de dezembro teve saldo positivo de 12 novas vagas, fechando o anual positivo em 715 postos formais de trabalho gerados em 2021. Neste mesmo período, Jales abriu 302 empregos (com saldo positivo de 27 em dezembro); Santa Fé do Sul somatizou 536 no ano (negativo em 35 em dezembro). Votuporanga, diversas vezes o maior polo empregatício regional, ficou com ‘apenas’ 356 novos empregados formais em 2021, sendo que em dezembro registrou o fechamento de mais 321 vagas.

Obviamente que Rio Preto, ostentando outro patamar, foi o município que mais gerou novos postos empregatícios formais no ano passado, com saldo positivo de 7.683 (mais de 10 vezes o índice de Fernandópolis), resultado da diferença entre 71.257 admissões e 63.574 demissões.

Enquanto isso...

- em Votuporanga, o péssimo desempenho no último mês de 2021 é atribuído à demissões em massa na Latech S/A, empresa de call center que substituiu a Vikstar, motivadas pela perda das carteira da Tim e da Agibank.

- a primeira dama Marilza Alves Martins, de Uchoa, foi condenada a dois anos de prisão por falsidade ideológica, acusada e continuar assinando ponto como professora mesmo após ter sido nomeada para a presidência do Fundo Social de Solidariedade. O maridão, prefeito José Cláudio Martins (MDB), teve a mesma pena.

- em passagem por Rio Preto, o pré-candidato Sergio Moro (Podemos) afirmou ao jornal Diário da Região que, se tiver que optar entre votar no ex-presidente Lula ou no atual Jair Bolsonaro, prefere uma “cabra”.

 


últimas